Depois de seis anos viajando e explorando, a sonda Hayabusa2 da Agência de Exploração Aeroespacial Japonesa (JAXA) enviou, no sábado (5), uma cápsula de volta à Terra cheia do que os cientistas esperam ser uma amostra de pelo menos 100 miligramas do asteroide Ryugu, que está localizado a cerca de 300 milhões de quilômetros da Terra. Assim, a Hayabusa2 fez história ao trazer de volta a primeira amostra de asteroide de subsuperfície do mundo.

A cápsula separou-se da espaçonave Hayabusa2 principal às 00h30 ET (2h30, no horário de Brasília) no sábado, de acordo com a JAXA, e foi vista entrando novamente na atmosfera da Terra por volta das 12h29 ET (14h29, em Brasília). Na reentrada, a cápsula brevemente se transformou em uma bola de fogo, deixando uma trilha em seu rastro, que também orientou a equipe de recuperação JAXA. Além da trilha, a própria cápsula continha um radiofarol, que emitia um sinal detectado pelos gestores da missão, para ajudar a equipe a rastrear sua localização, de acordo com o The New York Times.

Imagem da bola de fogo tirada de Coober Pedy. Imagem: JAXA

Antes de pousar, a cápsula lançou um paraquedas para  diminuir a velocidade do veículo e permitir que ele pousasse suavemente na Área Proibida de Woomera, no sul da Austrália. A aterrissagem era apenas uma parte da tarefa; a outra era encontrar a pequena cápsula, que media cerca de 15 polegadas (aproximadamente 40 centímetros) de diâmetro.

Se você está pensando que isso não é tão pequeno assim, veja bem: ela pousou em uma área que se estende por 38 milhas quadradas (cerca de 100 quilômetros quadrados). Mas a boa notícia é que ela desembarcou na área de pouso esperada, que estava equipada com cinco antenas para ajudar os cientistas encontrarem sinais de rádio da cápsula, segundo o The Verge. A agência espacial também tinha um helicóptero em mãos com um receptor de farol para busca e um drone que estava tirando fotos.

Não se preocupe, eles a encontraram.

Coleta da cápsula de reentrada. Foto: JAXA

Yuichi Tsuda, gerente de projeto da Hayabusa2 na JAXA, disse que a agência encontrou a cápsula conforme planejado e que estava em perfeitas condições, de acordo com a Associated Press.

“Conseguimos pousar o baú do tesouro”, disse Tsuda. “Estou realmente ansioso para abri-lo e olhar o que tem dentro.”

De fato, para os cientistas, a amostra do asteroide Ryugu realmente é como um baú do tesouro. Conforme explicado pelo The Verge, asteroides fornecem as primeiras imagens do nosso Sistema Solar. Eles existem há bilhões de anos, e os cientistas não acham que eles mudaram muito. Alguns acreditam que é possível que asteroides como Ryugu trouxeram água para a Terra quando a atingiram, tornando o planeta habitável. Amostras podem ajudar a esclarecer essa hipótese.

Depois de chegar ao Ryugu em junho de 2018, a Hayabusa2 trabalhou muito e de maneiras criativas para obter suas amostras. Primeiro, ela disparou um projétil sobre a superfície de Ryugu para movimentar o material da superfície e, em seguida, com sucesso, pegou os detritos usando seu instrumento de coleta de amostra, que tem o formato de um chifre. Para a segunda tentativa, o objetivo era coletar material de sub-superfície do Ryugu disparando uma bala de cobre, produzindo uma cratera artificial cercada por material de asteroide subterrâneo. Os cientistas ficaram especialmente entusiasmados com essa tentativa, uma vez que o material do subsolo é protegido dos efeitos do intemperismo espacial, como os efeitos dos raios cósmicos ou partículas carregadas do Sol.

Imagem da bola de fogo tirada de Coober Pedy. Imagem: JAXA

Os cientistas da JAXA não têm certeza do tamanho da amostra coletada pela Hayabusa2, mas eles esperam que seja de pelo menos 100 miligramas, o que eles dizem ser o suficiente para realizar a pesquisa planejada. A primeira missão Hayabusa em 2010 não foi capaz de obter uma amostra substancial do asteroide Itokawa devido a uma falha no dispositivo de amostragem da nave. Como resultado, os cientistas só conseguiram recuperar microgramas de poeira do Itokawa.

Já em relação à Hayabusa2, os cientistas não saberão o que os espera até abrirem a cápsula. Ela será aberta no Japão e um anúncio sobre a quantidade de material coletado será feito posteriormente, disseram autoridades da JAXA, de acordo com a CNN.

A Hayabusa2 ainda não se aposentou. Depois de deixar a cápsula, ela irá explorar outro asteroide, 1998KY26, para responder mais questões de pesquisa, incluindo como encontrar maneiras de evitar que meteoritos atinjam a Terra.