Porcentagem de cacau, ingredientes, crocância, textura. Diversos fatores podem influenciar na qualidade de um chocolate. Mas, para além desses, cientistas holandeses investigaram um outro critério que pode ser vital para a experiência: o formato do doce.

Pesquisadores da Universidade de Amsterdã, Delft University e Unilever, na Holanda, descobriram que a sensação de mastigar o chocolate pode ser projetada para ficar ainda mais prazerosa.

Os cientistas criaram um um protótipo exótico feito de chocolate, e na sequência, fizeram uma série de estudos para entender como funciona o processo pós mordida do alimento.

Não parece, mas é um processo complexo, que inclui os ângulos de mastigação e em quantos pedaços ele deve quebrar para ser perfeito. Outro ponto importante é como acontece sua dispersão na boca após o impacto.

Segundo pesquisadores, o simples ato de aquecer e resfriar pode transformar um chocolate macio em um chocolate muito mais quebradiço, ou vice-versa. É o que a gastronomia chama de “temperagem” de chocolate, que pode alterar sua textura. Este foi o primeiro ponto a ser resolvido.

Para começar, os cientistas aqueceram chocolate cuidadosamente e foram adicionando chocolate frio para resfria-lo novamente. Após o processo, o alimento foi colocado em uma impressora 3D. Nela, os pesquisadores imprimiram algumas formas do chocolate.

A primeira dessas formas, como você pode ver na imagem abaixo, foi feita em formato “mola” — ou um intestino, como queira –, como você pode ver abaixo. O objetivo era testar como esse material quebraria, e como essa quebra seria sentida na boca.

chocolate

Segundo os pesquisadores, quando o chocolate foi pressionado de cima, ocorreram
muitas rachaduras. Mas, quando pressionado na direção perpendicular (com um ângulo de 90° entre dente e chocolate) foi notado apenas uma única rachadura.

O teste mostrou que a melhor sensação foi com a primeira mordida, com várias rachaduras. Afina, as pessoas tendem a gostas de coisas que estalam na boca, algo que dá a sensação de crocância.

Diante desse resultado, os pesquisadores chegaram a conclusão que é possível projetar alimentos e chocolates que trazem essa sensação e tenham esse tipo de formato.

Segundo comunicado da universidade de Amsterdã, este é o primeiro estudo já realizado com um material comestível do tipo. Quanto tempo vai demorar até que você tenha chocolates com essa aparência nas plateleiras do mercado, ainda é muito cedo para dizer. Mas uma coisa é fato: já temos pistas de como tornar o chocolate ainda mais gostoso.