Um guru motivacional da Holanda está tentando mudar sua data de nascimento para que ele seja menos discriminado, incluindo na prospecção de encontros românticos pela internet.

Tinder não fez as pessoas transarem mais, aponta estudo
Como funciona o “Tinder do Facebook”, que começou a ser testado na Colômbia

“Quando estou no Tinder e digo que tenho 69 anos, ninguém me responde. Quando eu digo que tenho 49, com o rosto que tenho, estarei em uma posição de luxo”, disse Emile Ratelband à BBC. “Vivemos em um tempo em que você pode mudar seu nome e seu gênero. Por que não posso decidir sobre minha própria idade?”

Ratelband entrou com um processo em sua cidade após ter sido negada a possibilidade de mudar sua idade em documentos legais. Ele disse à corte de Arnhem que não se sentia com a idade que tinha, meio que se comparando com as pessoas que se identificam como transgêneros.

O homem alega que, como sua idade não representa seu estado emocional, ele estava sendo alvo de discriminação em sua vida profissional e pessoal. A ideia dele é mudar sua data de nascimento de 11 de março de 1949 para 11 de março de 1969.

“Quando digo que tenho 69, sou limitado. Se eu tenho 49, então eu posso comprar uma nova casa, dirigir um carro novo. Posso pegar mais trabalho”, disse ele à BBC.

A rede de TV britânica informa que Ratelband alega que seu médico o informou que o seu corpo é de uma pessoa de 45 anos de idade. Ele, no caso o cara, refere-se a si mesmo como um “deus jovem”.

As autoridades que analisam o caso estão céticas quanto ao sucesso de Ratelband em sua empreitada. Um juiz teria perguntado a ele o que seria desses anos que ele esperava apagar, e ainda questionou o que os pais dele achavam sobre tudo isso. “Quem era a pessoa de quem seus pais cuidavam, então? Quem era aquele garotinho?”, teria perguntado.

Essa não é a primeira vez que Ratelband se mete em assuntos controversos. Há alguns anos, durante uma entrevista para uma revista cristã, ele comentou que Osama Bin Laden era um “pensador esclarecido” e que o ataque de 11 de setembro foi “legítimo”.

Em quatro semanas, a corte deve tomar uma decisão se ele pode ou não apagar duas décadas de sua vida para, assim, tornar mais fácil sua tarefa de transar.

[BBC]