Desde 2004, Roger Davidson tem vivido como um personagem em um romance do Dan Brown. Tudo começou quando um técnico de informática o informou que um vírus no computador dele estava ligado à Opus Dei, padres poloneses e ameaças de morte.

Em agosto de 2004, Davidson, um compositor rico, levou o computador dele para a Datalink Computer Products, uma loja local de suporte técnico. Ele estava preocupado que um vírus poderia destruir as composições musicais que ele havia salvo. Mas o dono da loja, Vickram Bedi, o deixou com preocupações bem piores: a vida dele corria perigo.

De acordo com o que Bedi disse a Davidson, o vírus não só foi devastador o suficiente para destruir as máquinas da loja, como era parte de uma elaborada conspiração internacional:

A conspiração supostamente envolveu um disco rígido misterioso em uma vila remota de Honduras, e um plano para infiltrar o governo dos EUA, por parte de padres poloneses ligados à Opus Dei.

Por algum motivo, Davidson acreditou nessa história bizarra e concordou em "pagar ao suporte técnico não só pela recuperação dos dados, como por proteção pessoal". Desde então, Davidson pagou entre seis e vinte milhões de dólares à Datalink Computer Products, a Vickram Bedi, e a Helga Invarsdóttir, uma funcionária da empresa.

Os malandros finalmente foram presos esta semana, e acusados em primeiro grau de furto de alto valor. Só falta saber se a prisão de Bedi e Invarsdóttir vai deixar Davidson dormir tranquilo à noite. [New York Times via Network World via Net-Security via Slashdot]

Foto via Roger Davidson Music