Quando se pensa em criar um site, sempre existem dúvidas de como isso deve ser feito e o que deve ser pago. A hospedagem é um dos assuntos mais falados nestes momentos e existem tanto as pagas quanto as gratuitas a se levar em consideração. 

Portanto, continue a leitura conosco porque iremos te dizer quais são os pontos relevantes que devem ser analisados antes de adquirir a sua.

1. Qual a empresa que está oferecendo?

O primeiro ponto é descobrir qual é a empresa que está oferecendo o serviço. Isso porque existem algumas falsas ou com muitas limitações e que não valem a pena, mesmo sendo gratuitas.

Portanto, busque saber se a empresa é referenciada no mercado de hospedagem e pesquise sobre a história da mesma. Existem plataformas que oferecem opções gratuitas com nenhuma limitação e ainda permite que o usuário crie o próprio site sem pagar nada ao utilizar templates que já estão prontos. 

Criar sites é muito burocrático e exige, quando não se sabe usar a tecnologia, um programador. Ele é capaz de utilizar códigos para criar cores e menus. Entretanto, com ferramentas de desenvolvimento web consegue-se fazer isso apenas arrastando itens, sem ter a necessidade de entender sobre HTML, CSS e muitos outros.

Para conhecer mais sobre a empresa que pensa em usar os serviços gratuitos, busque sobre ela no Linkedin, Facebook e até mesmo Instagram. Outra dica para ter certeza da reputação é visitar sites como Reclame Aqui, Ebit e Análise Loja.

2. Espaço de hospedagem

Outro ponto a se analisar é o espaço da hospedagem que podem ser os mais variados, chegando a opções ilimitadas.  Neste caso, é relevante que você pense quantas publicações e conteúdos devem estar na sua plataforma.

Isso porque não é necessário investir 100 GB se utilizar apenas 10 GB. Fazer essa análise também é importante para que o site não fique lento já que sobrecarregar ele de material e ter pouco espaço pode fazer com que ele caia. 

No início, enquanto não há muito acesso em seu site ou loja virtual, o indicado é usar uma  hospedagem compartilhada e conforme o acesso começa a crescer, mudar para outras alternativas.

3. Tipo de hospedagem

O tipo de hospedagem também tem bastante a ver com o espaço. Imagine, por exemplo, uma loja virtual como a Amazon e um blog menor que aborda sobre dicas para penteados com dez acessos diários.

A Amazon precisa de uma hospedagem que suporte milhões de pessoas acessando simultaneamente e isso sai muito mais caro que uma hospedagem para um site com 10 acessos diários. 

Neste caso, a gigante norte-americana teria que ter um servidor completamente dedicado, sem que houvesse divisão com outros sites. Já o blog com menos acesso poderia ficar em uma compartilhada. Ou seja, uma hospedagem que permite mais sites juntos dividindo o mesmo espaço, deixando o preço mais barato e viável para quem está começando.

A VPS é uma alternativa intermediária que está entre o compartilhado e o dedicado. É uma opção que é paga.

Geralmente, as compartilhadas são gratuitas e oferecidas por plataformas como WordPress, Zyro e Wix. Os três sites permitem que o usuário crie uma loja virtual própria sem saber códigos ou programações. Dessa forma, todo o processo de criação se torna mais barato e o melhor: é possível saber exatamente quando deve mudar o seu pacote. 

4. Acesso simultâneo

O acesso simultâneo é quando mais pessoas acessam o site em um mesmo espaço de tempo. Quanto menor a quantidade de espaço e mais limitada for a hospedagem, quanto mais pessoas acessando, mais lento deve ficar a plataforma. Por isso recomenda-se que compre um plano pago ou mais vantajoso quando começar a notar lentidão acompanhada de mais acessos.

Um exemplo clássico é o próprio site do governo que, com a liberação das notas do ENEM,  com uma grande quantidade de acessos, começou a travar e cair. A causa disso foi uma hospedagem que não estava qualificada o suficiente para a quantidade de pessoas que pretendiam ver os resultados. 

Uma dica é começar com uma hospedagem simples para evitar gastos com servidores dedicados. Sendo assim, é possível aumentar a qualidade do servidor assim que a quantidade de acessos aumentar.

Se o endereço online tem apenas 100 acessos em um dia e poucos são simultâneos, não há a necessidade de investir massivamente em banco de dados e servidores robustos como é o caso da Havan, Americanas e até mesmo a Amazon que já foi citada anteriormente. 

Conclusões

Como é possível observar, são inúmeros aspectos a serem levados em consideração no momento de escolher uma hospedagem gratuita. Entretanto, elas ainda valem muito a pena, especialmente para aqueles que não possuem muitas condições para realizar os investimentos desde início, sem ter a certeza que haverá um retorno concreto.