Quando ouço falar da HP, associo com algumas coisas: impressoras, tintas caras que ameaçavam arruinar meus trabalhos no tempo de faculdade, e computadores corporativos baratos. Agora, design de laptop eu nunca imaginei que daria algum ponto para a empresa, porém isso está mudando.

Nos últimos anos, a HP tem feito alguns dos laptops mais bacanas do mercado. A empresa tem tomado riscos que seus competidores não estão ligando muito. Especificamente, tem feito aparelhos interessantes com materiais bacanas. Enquanto todo mundo sempre vai de alumínio e plástico e com uma coisa e outra de fibra de carbono e magnésio, a HP tem se destacado pela escolha de materiais.

Pegue, por exemplo, esta atualização da série Envy que foi apresentada em março (incluindo os modelos Envy 13, 15 e 17). A série Envy, que começa em US$ 1.000, já contava com laptops finos e bonitos. No entanto, agora você pode ter notebooks com um trackpad e apoio para a mão de madeira — com uma opção de coloração amadeirada mais escura ou mais clara.

A HP não deu detalhes de que tipo de acabamento de madeira eles usam e sobre a duração do produto a longo prazo — trata-se apenas de uma pequena camada de madeira, então passa um pouco a impressão de textura laminada. No entanto, o design atrativo o diferencia de competidores como o Lenovo 700 series e o Dell Inspiron 7000 series.

A HP também está corrigindo os problemas de trackpad. A experiência do trackpad no Windows tem sido tradicionalmente terrível comparada com a do macOS. A Microsoft tentou resolver com os drivers do Microsoft Precision, que permite que o trackpad se comunique melhor com o Windows. A HP usou esses drivers em alguns laptops comerciais nos últimos anos, mas acabou continuando os drivers Synaptics na linha de laptops comerciais Spectre e Envy.

O que, na verdade, é uma pena, pois são laptops que custam na casa dos US$ 700 ou mais. Os novos laptops Envy de madeira serão os primeiros da HP voltados ao consumidor com drivers Precision. Eu não passei muito tempo com os laptops, mas mesmo com um trackpad de madeira, o driver Precision apresentou uma melhoria notável e bem-vinda em relação aos outros computadores da HP, como o Spectre.

Mas não é só colocar madeira nos Envys que me fez sentir que a HP estava fazendo algo diferente com materiais no design do laptop. A empresa agora tem uma obsessão de colocar couro nos computadores. Vimos no ano passado no Spectre Folio, um laptop conversível legal, porém fraco e caro, mas com uma dobradiça engenhosa.

Além da dobradiça, outro elemento notável do Folio é a construção do corpo do laptop, feito principalmente a partir de couro e magnésio. Não couro grudado no magnésio, mas couro integrado e fundamental na construção do produto.

Laptop HP com detalhes em couro

Não tenho certeza se o mais novo Elite X2 64 mudará tudo isso, embora as exigências de vida útil da bateria de 24 horas, interruptores mecânicos para webcam, duas Thunderbolt de três portas e a opção de uma tela superbrilhante de 1000 nits certamente o tornam uma opção mais atraente que o Surface Pro 6 (que não tem nenhum desses itens). Ainda assim, é a construção do aparelho que me deixou animada.

É tudo de couro. A escolha é tão inteligente que parece que sempre funcionou e deveríamos ter isso já há uma década. Isso é mais um exemplo de que a HP está tomando alguns riscos. Será que um laptop de couro, magnésio ou madeira estaria no horizonte da marca?

Provavelmente, não, mas se alguém for tentar, provavelmente será a HP.

Os novos laptops Envy devem ser vendidos no outono nos EUA e terão a opção de ter processador de 10ª geração da Intel ou a segunda geração AMD Ryzen.

A HP diz que anunciará os preços próximo ao lançamento, mas eles devem custar mais do que os laptops Envy atuais, que parte de US$ 730. O novo HP Xlite x2 G4 e o Folio com opção de couro será vendido em agosto começando em US$ 1.500 com o processador Intel Core i7-8665U vPro e 16 GB de RAM. Ele será disponibilizado com tela de 12,3 polegadas 1080p, 13 polegadas (3000 x 2000) ou 13 polegadas 1080p e com brilho máximo de 1.000 nits.