Hoje em dia, quase toda empresa tem um dispositivo vestível – seja um relógio inteligente, uma pulseira ou um rastreador de atividade física. Agora a HTC está entrando no jogo com o Grip: uma pulseira enorme que é ao mesmo tempo original e desconcertante.

Diferente de tudo que a HTC fez antes, o Grip tem um público-alvo bem específico em mente: “os verdadeiros atletas”. A pulseira foi desenvolvida em parceria com a Under Armour, concorrente da Nike que recentemente comprou os apps myfitnesspal e Endomondo.

HTC Grip - hands-on (2)

O Grip tem GPS embutido, algo raro no mercado (o Sony SmartWatch 3 e a Microsoft Band são as exceções), e é compatível com Android e iOS. Só que ele não acompanha seus batimentos cardíacos. Por isso, este dispositivo de US$ 200 recomenda que você compre um monitor separado de frequência cardíaca para ter a experiência completa. É sério!

Quando se trata de design, o Grip não é particularmente atraente. Temos aqui uma pulseira preta com uma cor chamativa na parte interna. Eu fiz o hands-on em um modelo de pré-produção; a HTC diz que vai fazer alguns ajustes para chegar ao produto final.

Mas ele é imperdoavelmente volumoso: está mais para um bracelete que uma pulseira. Ele vem em três tamanhos diferentes – pequeno, médio, grande – e tem duas abotoaduras para que você ajuste ainda mais o tamanho.

HTC Grip - hands-on (4)

E mesmo assim, se você for um “verdadeiro atleta” – e estiver correndo, pulando, pedalando, o que for – ele provavelmente ficará meio solto e balançando no seu braço, o que é bem irritante para um wearable. O Grip também monitora seu sono, mas imagino que dormir com ele seria bem desconfortável.

O Grip tem apenas um botão capacitivo perto de sua tela PMOLED preto-e-branco de baixa resolução. Essa tela permite que a bateria dure até 2,5 dias com uma única carga; isso diminui para 5 horas com o GPS ativado.

HTC Grip - hands-on (3)

Ao navegar pela interface, você pode ajustar seu treino, acessar os dados coletados, visualizar o calendário, e buscar mais apps. A seleção é presumivelmente limitada, uma vez que o Grip roda um software próprio da HTC, e não Android Wear ou algo do tipo. Assim como no Fitbit, você pode selecionar um determinado exercício para que o rastreador acompanhe sua atividade com mais precisão. É possível escolher entre corrida, ciclismo, ginástica e “outros”; mais opções virão no futuro.

Na tela inicial, uma pequena janela mostra se há novas mensagens de texto e chamadas não atendidas, mas o Grip é definitivamente limitado nesse sentido. Ele é um dispositivo de fitness em primeiro lugar, por isso não é tão capaz quanto um Pebble ou um relógio com Android Wear.

Como uma pulseira volumosa de US$ 200 direcionada para atletas, o Grip decepciona um pouco. Ele realmente só acompanha seus passos, distâncias, ritmo, calorias queimadas e sono. Ele será lançado em abril; à primeira vista, a concorrência – Fitbit, Jawbone Up, Basis Peak – parece mais digna de agraciar seu pulso.