A Huawei só está no segmento de notebooks há alguns anos e, depois do sucesso de sistemas como o MateBook X Pro, a companhia está expandindo seu portfólio de laptops com o novo MateBook 13.

• A poderosa placa de vídeo RTX 2080 da Nvidia estará também nos notebooks
• O Alienware Area-51m é um monstro com um visual bem bacana e que pode receber upgrades

Começando em US$ 1.000 com uma CPU Intel Core i5-8265U, 8 GB de RAM, 256 GB PCIe SSD e uma tela touchscreen de 13 polegadas e resolução 2160 x 1440, com a cor “prata mística”, o MateBook 13 é o novo notebook mainstream da empresa que tem por objetivo derrubar o novo MacBook Air. Assim como o MateBook X Pro, o MateBook 13 apresenta um corpo totalmente em alumínio, com estilo claramente inspirado no que a Apple vem fazendo há anos.

Quando eu consegui mexer no MateBook 13 em um evento durante a CES, um porta-voz da Huawei até se gabou de que, pesando 1,27 quilo e com 1,49 cm de espessura, o MateBook 13 é mais fino e leve que o novo MacBook Air. No entanto, como o MateBook não ostenta o design cuneiforme cônico do dispositivo da Apple, ele não parece tão fino assim. Em vez disso, parece que é uma combinação muito mais próxima do MacBook Pro de 13 polegadas padrão.

Fotos: Sam Rutherford/Gizmodo

Dito isso, a Huawei não está clonando completamente a Apple, já que o MateBook mantém um teclado chiclete tradicional, que é mais agradável de digitar do que qualquer coisa na linha da Apple, junto com um prático botão de energia que tem leitor de impressão digital embutido para que você possa ligar o sistema e entrar no Windows com um único toque.

Acompanhe nossa cobertura da CES 2019

Dentro, a Huawei alega que impulsionou o resfriamento do MateBook 13 com seu novo sistema Sharkfin 2.0, com ventilador duplo. A companhia diz que seus ventiladores movimentam 25% mais ar do que os ventiladores de um notebook comum, o que deve ajudar bastante quem for comprar a opção de US$ 1.300 do MateBook 13, que apresenta uma CPU Core i7-8565U, 8 GB de RAM, 512 GB de armazenamento SSD e uma GPU Nvidia MX150 com 2 GB de VRAM.

Alguns podem questionar a escolha da Huawei de ter apenas duas portas USB-C no MateBook 13, o que é um pouco estranho, considerando que provavelmente havia espaço para mais e que o MateBook X Pro vem com uma porta USB-A e USB-C cada. Portanto, para compensar isso, cada MateBook 13 virá acompanhado de um MateBook Dock 2 gratuito (que normalmente custa cerca de US$ 70), que expande a conectividade por meio de um USB-A, HDMI, Ethernet e portas VGA.

Em suma, o MateBook 13 parece uma alternativa segura e mais acessível a um dos meus computadores portáteis favoritos de 2018, embora eu tenha duas pequenas preocupações. A primeira é que a tela do MateBook 13 só é avaliada em cerca de 300 nits, o que está na média para um laptop de US$ 1.000. Quando você compara isso com o brilho fantástico, a resolução densa de 3000 x 2000 e as cores vibrantes que você obtém na tela do MateBook X Pro, é um pouco decepcionante. Essa tela era facilmente uma de suas melhores características. Embora o display do MateBook 13 pareça ok, não é nem de perto tão bom quanto.

Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Minha segunda preocupação é que a Huawei classifica a duração da bateria do MateBook 13 em apenas 9,6 horas para o modelo com placa de vídeo Nvidia, ou cerca de dez horas para a configuração padrão. É possível que a Huawei esteja apenas sendo conservadora com suas projeções. Porém, se esses números forem verdadeiros, isso significa que o MateBook 13 pode acabar tendo uma duração de bateria medíocre ou ligeiramente acima da média quando for lançado.

Com uma data de lançamento marcada para 29 de janeiro, não teremos que esperar muito tempo para descobrir como o MateBook 13 funciona de verdade. E, como alternativa ao novo MacBook Air, a tentativa da Huawei de criar um laptop de 13 polegadas com Windows parece muito boa.

Siga o Gizmodo Brasil no Instagram para acompanhar curiosidades e as últimas novidades da CES 2019!