O governo dos Estados Unidos alertou os países europeus inúmeras vezes que usar equipamentos de rede da Huawei representaria um risco à segurança dessas nações. Agora, a Huawei quer aliviar esses temores com novos planos de construir uma fábrica para 5G na França.

De acordo com a Reuters, em uma recente coletiva de imprensa, o presidente da Huawei, Liang Hua, disse que a companhia está planejando investir € 200 milhões (R$ 986 milhões) para a construção de uma estação de base móvel que criaria 500 novos empregos e forneceria equipamentos de rede 5G não apenas para a França, mas para todo o mercado europeu.

Há algumas semanas, o Departamento de Justiça dos EUA anunciou que iria denunciar a Huawei, alegando que a empresa tinha conspirado para roubar segredos comerciais, cometer fraudes com escutas telefônicas e violar leis de contra o crime organizado. Em resposta, a Huawei alega que as acusações contra a empresa são infundadas e são meramente medidas protecionistas destinadas a ajudar as empresas americanas, ao mesmo tempo em que depreciam sua imagem.

Os principais aliados europeus dos EUA, incluindo o Reino Unido e a Alemanha, não proibiram completamente o uso de equipamentos de rede da Huawei, permitindo que as operadoras sem fio locais continuem usando equipamentos em certa medida.

Na coletiva de imprensa, Liang afirmou: “Esse local fornecerá para todo o mercado europeu, não apenas o francês. As atividades do nosso grupo são mundiais e para isso precisamos de uma pegada industrial global.”

Não sabemos qual o impacto que isso poderá ter sobre potenciais preocupações de segurança nacional. Embora Huawei tenha mencionado a criação de empregos, não mencionou explicitamente quaisquer alterações ao seu núcleo de tecnologia 5G e não é certo se o presidente francês Emmanuel Macron assinou um plano para esse empreendimento.

Por uma questão política, a França diz que não irá discriminar nenhum fornecedor de equipamento com base em seu país de origem. No entanto, a França exige que todos os fornecedores sejam inspecionados e verificados pela sua agência de cibersegurança, que deve verificar em breve a tecnologia da Huawei. De acordo com a Reuters, fontes da indústria francesa de telecomunicações estão preocupadas que os equipamentos da Huawei sejam vetados, mesmo que uma proibição formal não aconteça.

Com a crescente demanda de redes sem fio mais rápidas, a tecnologia 5G se tornou rapidamente um campo de batalha para muitos países e empresas multinacionais, à medida que buscam atualizar a infraestrutura e promover o crescimento econômico.

Embora a França não tenha nenhuma rede 5G funcionando neste momento, as operadoras locais já começaram a se preparar para esses avanços. A maior operadora francesa, a Orange, já se comprometeu a usar em sua rede equipamentos 5G dos rivais europeus da Huawei, Nokia e Ericsson.

No entanto, operadoras menores como Altice e Bouygues tendem a procurar preços menores, o que torna a tecnologia 5G da Huawei mais atraente, especialmente porque uma grande parte das redes 4G existentes dessas companhias é alimentada por produtos Huawei.

Os EUA ainda podem ter esperança de convencer seus aliados a impedir que a Huawei entre de cabeça na Europa com o 5G. Mas, com os planos da empresa para construir uma nova fábrica, ainda que não talvez não tenham sido aprovados, a Huawei pode estar virando o jogo – e talvez manterá alguma presença no velho continente.