Tradicionalmente, as fabricantes lançam primeiro seu modelo parrudo com mais recursos e depois (ou ao mesmo tempo) uma versão mais básica, ligeiramente mais barata. A Huawei decidiu inverter a ordem com a sua linha P40 e anunciou nesta quarta-feira (26) o P40 Lite, com um visual idêntico a outros modelos vendidos em mercados asiáticos como o Nova 6 SE. Os Huawei P40 e P40 Pro devem ser anunciados em 26 de março.

O Huawei P40 Lite tem processador Kirin 810 de seis núcleos Cortex-A55 de 1,6 GHz e dois núcleos Cortex-A76 de 2,27 GHz. Assim como os outros processadores fabricados pela empresa, há “processamento neural integrado”. A GPU é a Mali-G52 MP6 e é acompanhada de um software GPU Turbo que, segundo a companhia, reduz a latência e aumenta a taxa de quadros por segundo dos jogos.

Completam as especificações 6 GB de RAM, 128 GB de armazenamento e bateria de 4200 mAh que pode ser carregado rapidamente – a promessa são 70% de carga em 30 minutos, com um carregador de 40 W.

São quatro câmeras traseiras que ficam abrigadas num quadradinho de vidro, no melhor estilo cooktop. O sensor principal tem 48 megapixels com f/1.8, capaz de gravar vídeos em 2K a 30 quadros por segundo. Ele conta também com uma lente grande angular num sensor de 8 MP f/2.4, com ângulo de visão de 120 graus. Há ainda um sensor macro de 2 MP f/2,4 capaz de fotografar objetos a 4 cm de distância e um sensor de profundidade de 2 MP. A câmera frontal tem 16 MP e f/2.0, fica abrigada num furinho no canto superior esquerdo da tela.

Falando em tela, ela tem 6,4 polegadas – o painel é IPS e a resolução Full HD. O smartphone tem ainda um leitor de impressões digitais na lateral.

Por enquanto, o modelo foi anunciado para o mercado europeu, por € 300 (R$ 1.478, em conversão direta). O preço abaixou € 50 em relação ao P30 Lite, lançado no ano passado – porém, apesar de o P40 Lite rodar Android, não vem com os serviços do Google como Play Store, YouTube, Gmail e outros. Isso tem a ver com a restrição que a Huawei enfrenta pelos Estados Unidos e que impede que o Google faça negócios com a empresa chinesa.

É provável que esse aparelho chegue no Brasil este ano. Em entrevista ao Mobile Time, o gerente sênior de desenvolvimento de negócios para o Brasil da Huawei, Daniel Dias, prometeu novos lançamentos da marca – mesmo com as restrições no Android. A ideia da empresa é atrair desenvolvedores para a sua loja própria de aplicativos, o que contornaria boa parte das limitações com a Play Store.

Quando foi anunciado no Brasil, o Huawei P30 Lite tinha preço sugerido de R$ 2.499 – se seguir a tendência europeia, o P40 Lite pode chegar ainda mais barato, mas com um Android bem limitado. Recentemente, o Google pediu para que os donos de smartphones da Huawei não instalem versões paralelas de seus apps.