A Huawei vem crescendo, e números provam isso. Novas informações da consultoria IDC mostram que ela voltou a superar a Apple e ficar com o segundo lugar em número de aparelhos entregues. Além disso, a diferença dela para a Samsung, líder do mercado, é a menor já registrada.

Ao longo do ano passado, dados de vendas de smartphones mostraram que a empresa chinesa tomou o segundo lugar da Apple durante o segundo e o terceiro trimestres. No quarto trimestre de 2018, a fabricante do iPhone retomou a posição, provavelmente impulsionada pela venda dos novos modelos.

Os dados do primeiro trimestre de 2019 da IDC mostram a divisão da maior parte do mercado entre as seguintes marcas:

  1. Samsung com 23,1% do mercado, com 71,9 milhões de smartphones entregues;
  2. Huawei com 19%, com 59,1 milhões;
  3. Apple com 11,7%, com 36,1 milhões;
  4. Xiaomi com 8%, com 25 milhões;
  5. Vivo e Oppo empatadas com, respectivamente, 7,5% e 7,4%, com 23,2 milhões e 23,1 milhões.

Outras marcas dividem os 23,2% restantes, com 72,1 milhões de smartphones entregues.

É interessante notar que esses são os números anteriores ao lançamento do Huawei P30, o que pode impulsionar ainda mais as vendas da marca. De qualquer forma, a vantagem de 6,3% sobre a Apple já é a maior registrada pelos dados do IDC. Semelhantemente, a diferença de 4,1% para a liderança da Samsung é a menor da história. Ou seja: a Huawei cresceu tanto que está na cola da líder de mercado. Não é pouca coisa.

Além de se preocupar com o crescimento da empresa chinesa, as demais marcas também precisam ficar atentas ao fato de que estão disputando um mercado menor. Pelo monitoramento da IDC, as vendas de smartphones no primeiro trimestre de 2019 caíram 6,6% em relação ao primeiro trimestre de 2018 — elas foram de 332,7 milhões de aparelhos para 310,8 milhões.

A divisão de mercado é confirmada por outra consultoria, a Strategy Analytics. Apesar de números um pouco diferentes, ela também mostra a Huawei bem estabelecida na segunda posição e uma queda nas vendas gerais de smartphones.

[IDC via Venture Beat]