Uma equipe de pesquisadores de Stanford observou fortes sinais de excitação em humanos que tocaram partes de robôs onde seriam os genitais ou a bunda uma pessoa — eles chamaram isso de “partes do corpo de baixa acessibilidade”. Quando solicitados para apontar para essas regiões, os participantes do experimento não apresentaram nenhum tipo de reação em específico; em partes mais inofensivas, houve respostas de baixo nível. A pesquisa completa será apresentada no Japão durante o International Communication Association, em junho.

>>> Não faça sexo com robôs, pedem especialistas
>>> Você pode chutar este robô quadrúpede do Google e ele não vai cair

O levantamento consistia em dez voluntários humanos — sendo quatro mulheres e seis homens — que respondiam a comandos de voz de um robô Nao, da Aldebaran Robotics. Ele foi programado para dizer aos participantes para tocar 13 partes de seu corpo utilizando suas mãos dominantes. Na outra mão, os voluntários usavam um sensor medidor de condutância, que indica mudanças fisiológicas e variações de emoção.

Falando sobre o assunto no The Guardian, Jamy Li, um dos pesquisadores, explica:

“Isso mostra que as pessoas reagem aos robôs de forma primitiva, social…as convenções sociais sobre tocar partes privadas de outras pessoas também se aplica a partes de robôs. A pesquisa tem implicações para o design de robôs e a teoria de sistemas artificiais.”

Alguém poderia ainda suspeitar que o estudo terá muito mais implicações na indústria de robôs.

[The Guardian]

Imagem do topo: Stil do filme Ex Machina