O ICANN já havia votado sobre o assunto em 2007 e recusado a criação da extensão voltada apenas ao mundo pornô. Por isso, a indústria não está comemorando com champagne nas atrizes, pelo menos por enquanto, já que a decisão pode ser revertida. Caso ela realmente entre em ação, será o primeiro domínio voltado especificamente ao segmento. E ele é tão grande que a ICM, que empresa que pretende registrar os domínos .xxx, afirma que 213 mil pedidos já foram feitos e estão reservados, no aguardo do aprovação final.

Enquanto isso, o mundo do onanismo continuará visitando sites que terminam com ponto com mesmo. Isso, em tese, não muda nada para o usuário. Mudará para os sites e produtoras, que provavelmente migrarão em massa, e para a ICM, que deverá cobrar salgados U$60 anuais pelos domínios, contra a média de U$10 anuais de outras extensões. [Xbiz]