O governo da Índia vai proibir toda a população do país — mais de 1,3 bilhão de pessoas — de sair de suas casas por 21 dias, de acordo com uma declaração feita terça-feira (24) pelo primeiro-ministro Narendra Modi. A quarentena é um esforço para retardar a propagação do COVID-19, que já adoeceu pelo menos 519 na Índia e matou 10, de acordo com o mapa da Universidade Johns Hopkins dos EUA.

“Para salvar a Índia e todos os indianos, haverá uma proibição total de se aventurarem”, anunciou Modi na TV, de acordo com uma tradução em inglês da Associated Press. Modi também anunciou um novo pacote de US$ 2 bilhões para o sistema de saúde do país.

A Índia, o segundo país mais populoso do mundo, começará a reforçar a sua quarentena à meia-noite desta quarta-feira no horário local. Modi enfatizou que as pessoas não podem sair de suas casas, mas ainda não está claro que tipo de exceção pode haver para comprar coisas como comida ou remédios, se é que há alguma. Os 21 dias é muito tempo para não ter acesso a serviços essenciais.

“Se não lidarmos bem com esses 21 dias, o nosso país e a sua família vão regredir 21 anos”, disse Modi, de acordo com o Economic Times.

Pelo menos 100 milhões de pessoas já se encontravam em quarentena em algumas das maiores cidades da Índia, incluindo Nova Deli e Mumbai. A decisão de fechar o país como um todo foi tomada depois que ficou claro que muitas pessoas só estavam praticando o distanciamento social se estivessem doentes, de acordo com o India Today.

A Índia ainda tem um número relativamente baixo de casos detectados em relação ao tamanho da sua população, mas se há uma lição de países como a China, Itália, Espanha e Irã, é que os governos devem impor o distanciamento social desde cedo para evitar a propagação da doença.

É a ferramenta mais poderosa que os países têm para diminuir a taxa de infecção. A China conseguiu interromper a disseminação generalizada de COVID-19 ao impor quarentenas pesadas, enquanto países como Itália e Espanha foram lentos em decretar medidas duras. A Itália tem atualmente mais de 63.000 casos e mais de 6.000 mortes, enquanto a Espanha tem mais de 39.000 casos e 2.800 mortes.

O presidente dos EUA, Donald Trump, passou os últimos dois dias sinalizando que gostaria de voltar a abrir a economia dos Estados Unidos, permitindo que os mais jovens voltem ao trabalho enquanto os mais velhos se abrigam em casa. Os especialistas em saúde pública advertem que esse plano seria um desastre.

O mesmo aconteceu no Brasil, com um pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira. Mais uma vez, ele se referiu à doença como uma “gripezinha” e questionou as quarentenas impostas pelos governadores e prefeitos, além de ironizar o fechamento de escolas afirmando que apenas os idosos fazem parte do grupo de risco.

Enquanto Trump e Bolsonaro encorajam as pessoas a voltarem a andar nas ruas, o resto do mundo tem imposto medidas de quarentena – mesmo que isso signifique danos econômicos. A Índia é apenas um dos casos mais recentes, seguindo os passos do anúncio do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, na segunda-feira.

As pessoas em todo o mundo estão preocupadas com a recessão econômica global a que estamos todos a assistir, além da assustadora perda de empregos. Mas como disse o governador de Nova York, Andrew Cuomo, é literalmente um caso de vida ou morte.

“A vida da minha mãe não é descartável. A vida da sua mãe não é descartável. Não vamos colocar a cifra de um dólar na vida humana. Podemos ter uma estratégia de saúde pública que seja consistente com uma estratégia econômica”, tuitou Cuomo. “Ninguém deveria estar falando de darwinismo social para o bem do mercado de ações”, completou.