Caso você não esteja no TikTok (antigo musical.ly), é muito provável que algum parente seu adolescente esteja por lá. O app social permite que as pessoas compartilhem vídeos de dublagens, esquetes humorísticas e um monte de gente dançando com limite de tempo de 15 segundos. Parecem usos inocentes, não? Na Índia, a situação degringolou e o governo ordenou que o Google e a Apple bloqueassem o app. O motivo? Conteúdos pornográficos e ofensas a políticos.

Apesar de o banimento só ter ocorrido nesta terça-feira (16), o governo indiano vem tentando tirar do ar o app desde fevereiro. Um dos primeiros críticos do app foi M. Manikandam, ministro da Tecnologia da Informação do Estado de Tamil Nadu, que pediu alguma ação após o deputado Thaminun Ansari ter dito que a popularidade do app estava conduzindo a população a uma “degeneração cultural”.

Na terça-feira, o Ministério de Tecnologia da Informação e Eletrônicos, que regula as comunicações digitais no país, solicitou a remoção do app do Google Play e da App Store. A ordem veio após um pedido da corte de Tamil Nadu, que concluiu, após uma investigação, que havia muita pornografia e outros conteúdos ilícitos.

A proibição não significa que o app parou de funcionar na Índia, mas que não é possível baixá-lo em fontes oficiais. Usuários já cadastrados ou que baixaram o app em fontes alternativas continuam acessando o TikTok normalmente. No caso, o banimento foi mais uma punição para evitar o crescimento do app.

Em um comunicado ao TechCrunch, a companhia informou que “tem fé no sistema judicial” do país e que está “otimista sobre um resultado [favorável na Justiça] que seria bem recebido pelos 120 milhões de usuários ativos mensais do TikTok na Índia”.

O problema na Índia não foi o primeiro do app. Nos EUA, o app foi recentemente multado em US$ 5,7 milhões por violar políticas de proteção às crianças.

Quais são os problemas com o TikTok?

No momento, o TikTok parece estar em um momento parecido com o Snapchat no início, sendo um refúgio para quem já se cansou de outras redes sociais. O problema do app, como o de todas as mídias sociais em estágio inicial, é que, como uma plataforma de conteúdos postados por usuários, pode haver muitos casos de conteúdos ilícitos.

Recentemente, o app começou a oferecer funções melhores de privacidade, permitindo que os usuários pudessem deixar seus perfis privados. Dando uma navegada no app em fevereiro (portanto, antes dessas mudanças), deu para perceber que o nível de comentários por lá beirava o absurdo, com até mesmo gente tentando paquerar meninas aparentemente menores de idade em vídeos de dança. Uma reportagem da BBC do início do mês já apontava que o app tinha um problema de predadores sexuais.

Por que o TikTok é importante?

O TikTok é um app da chinesa ByteDance que já teve mais de 1 bilhão de downloads pelo mundo. O crescimento dele fez com que o Facebook começasse a se mexer para ter uma função de dublagem para tentar ter apelo ao público jovem que tem invadido o aplicativo chinês.

De modo geral, o TikTok lembra bastante o Vine pelos vídeos curtos e pelo tipo de conteúdo. Não é o tipo de app que eu uso ativamente, mas parece ter bastante apelo para os adolescentes. Não só por possibilitar a postagem de vídeos com alguns filtros bacanas, mas acredito que o app tem uma “barreira contra os pais”.

Existe uma diferença muito grande de geração e, imagino, dificilmente os familiares vão querer entrar lá para postar vídeos dançando ou fazendo duetos com outros artistas. Lógico, qualquer um pode fazer uma conta lá e seguir perfis, mas essa não deve ser a rede que os pais participam ativamente — a não ser que sejam pais youtubers.

O Facebook está perdendo usuários nos EUAO Brasil tem apresentado uma tendência de queda de uso na rede, segundo o Datafolha. No entanto, parece que a rede ainda não entrou com tudo na briga contra o TikTok. Então, devemos acompanhar em breve se a rede Zuckerberg vai contra-atacar à altura o seu concorrente chinês. Por enquanto, o TikTok está por aí angariando novos usuários e sendo a rede social que a maioria dos pais nem sabem que existe.

[Gizmodo US e TechCrunch]