O helicóptero Ingenuity da Nasa está um passo mais perto de fazer seu primeiro voo em Marte. No sábado (3), a agência espacial anunciou que o helicóptero foi largado com sucesso na superfície do planeta pelo rover Perseverance, que serviu essencialmente como táxi espacial, estação de recarga e aquecedor do Ingenuity até agora.

Desde que chegou a Marte, em fevereiro, o helicóptero de 1,8 quilo e US$ 80 milhões da Nasa esteve acoplado à barriga do rover Perseverance. Recentemente, porém, a sonda começou a levar o Ingenuity ao seu destino: um aeródromo de 10 por 10 metros, escolhido por ser plano e sem obstruções, onde ele tentará o primeiro voo motorizado e controlado de uma aeronave em outro planeta.

Assim que a Perseverance chegou ao local exato que a Nasa queria no campo de aviação, o complicado processo de implantação começou. O evento de um dia de duração incluiu girar o helicóptero da posição horizontal para a vertical, estender suas pernas e carregar as seis células da bateria do Ingenuity através da Perseverance uma última vez.

O momento mais estressante veio, sem dúvida, no sábado, quando o rover lançou o Ingenuity de uma altura de 10 centímetros na superfície de Marte. Como todos sabemos agora, foi um sucesso. “Touchdown do Mars Helicopter confirmado! Sua jornada de 471 milhões de km a bordo da Persevere terminou com o lançamento final dos 10 centímetros da barriga do rover até a superfície de Marte hoje. Próximo marco? Sobreviver à noite”, escreveu o Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no Twitter no sábado.

Embora esse comentário “sobreviver à noite” possa soar como uma frase usada para um efeito dramático, a Nasa empregou em um sentido literal. Conforme explicado por Bob Balaram, engenheiro-chefe do Projeto do Helicóptero de Marte no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, até agora o Ingenuity esteve conectado à Perseverance, o que permitiu carregar sua bateria e usar o aquecedor controlado por termostato do veículo espacial para manter seu interior a 7 graus Celsius.

Ter um aquecedor é muito importante em Marte, onde as temperaturas podem cair para até -90 graus Celsius. O aquecedor protege confortavelmente componentes sensíveis, como baterias e componentes eletrônicos do helicóptero, de danos como, por exemplo, congelamento ou rachadura, que podem ser causados ​​por baixas temperaturas.

Mas essa foi a vida do Ingenuity com a Perseverance. Agora que ele está sozinho, o helicóptero terá que se acostumar com temperaturas mais frias. Ele também terá que contar com sua própria capacidade de gerar energia. Antes de se despedir da Perseverance, o Ingenuity carregou suas baterias a 100%. Agora, ele dependerá do Sol.

Balaram disse que a energia do Sol é mais fraca em Marte, ou cerca de metade do que encontraríamos na Terra em um dia ensolarado. Ainda assim, isso é o suficiente para o painel solar do helicóptero carregar suas baterias.

“O Ingenuity não pode se dar ao luxo de manter a temperatura de seu interior em ‘agradáveis’ 7 graus Celsius — isso consome muita da preciosa energia da bateria”, disse Balaram em uma atualização de status no site da Nasa na sexta-feira (2). “Em vez disso, quando ele acordar na superfície depois de cair, ele vai ajustar seu termostato para cerca de -15 graus Celsius ou menos. Então ele deverá sobreviver à primeira noite por conta própria! ”

Balaram afirmou que a equipe do Ingenuity estaria à espera de uma resposta do helicóptero no domingo para confirmar se ele havia sobrevivido à noite e se o seu painel solar havia funcionado como previsto. Até a publicação, não havia atualizações adicionais sobre como o Ingenuity estava indo no domingo, mas esperamos que ele esteja bem!

Assine a newsletter do Gizmodo

Nos próximos dias, a equipe Ingenuity verificará as temperaturas do rover e o desempenho de recarga das baterias. Se essas verificações derem certo, a Nasa seguirá em frente com o desbloqueio das pás do rotor do helicóptero e testes dos motores e sensores.

No sábado, a Nasa afirmou que a primeira tentativa de voo do Ingenuity não seria antes de 11 de abril, com o recebimento de dados na Terra em 12 de abril. O helicóptero terá 30 dias marcianos, ou 31 dias terrestres, para realizar sua campanha de voos de teste.