A relação da Dell com o Ubuntu não é assim tão inédita, já que o sistema operacional está presente em máquinas corporativas da linha OptiPlex, Latitude e Precision, mas a adição do Linux na linha Inspiron, voltada para consumidores finais, é mais um passo bem democrático. Mesmo assim, a Dell admite que algumas soluções do Ubuntu são mais bem-vindas para usuários corporativos, e que o Inspiron 14 faz a função de trabalhador sem sofrimento.

Para o usuário, o lado positivo é que a escolha de um sistema baseado em software livre dá um descontinho nas máquinas, que variam de R$50 a R$100 – nada de pagar licenças por aqui. Mas há um detalhe complicado: há uma limitação de hardware nas máquinas com Ubuntu. Enquanto os Inspiron 14 com Windows 7 podem escolher entre 5 opções e levar um recente Core i3 de 2,4 GHz, os notebooks com Linux são limitados a 3 opções, no máximo com um antigo Pentium Dual Core. Mesmo assim, é bom ver opções de notebooks que saiam do padrão. Aguardamos ansiosamente uma máquina com Hackintosh de fábrica. [Dell]