Você já deve conhecer a Arduino, famosa por suas placas presentes em eletrônicos faça-você-mesmo. Ela costuma usar processadores da americana Atmel, mas firmou uma parceria com a Intel para sua nova placa.

A Arduino 101 usa o módulo Curie, anunciado em janeiro na feira CES: o dispositivo minúsculo tem quase o tamanho de um botão, e possui um chip Quark SE, Bluetooth, acelerômetro e giroscópio, mais uma microcontroladora de 32 bits que o faz funcionar.

A promessa da Intel é que, com o módulo Curie, será possível criar gadgets vestíveis simples como relógios de pulso, pulseiras e óculos.

A placa possui 14 pinos de entrada/saída digital, seis pinos de entrada analógica, um conector USB e um conector para energia, e dimensões 68,6 mm x 53,4 mm.

A Arduino 101 é a primeira placa de desenvolvimento a usar o chip da Intel, e é destinada a estudantes e makers que querem gastar pouco: ela custará apenas US$ 30.

Fora dos EUA, a placa será vendida como Genuino 101, devido a uma disputa interna da empresa. O MAKE explica:

… um dos membros da equipe original do Arduino, que era responsável por sua fabricação na Itália, formou uma empresa própria, a Arduino.org, e depois vendeu suas ações para Frederico Musto. É uma tentativa flagrante de comercializar o Arduino sem respeito aos seus fundadores ou à comunidade. Agora há um conflito sobre quem detém a marca Arduino e seu conjunto-imagem na Europa, EUA e Ásia.

Quatro membros da equipe original do Arduino estão tentando recuperar a marca, mas por restrições jurídicas, eles decidiram migrar a fabricação das placas para os EUA, e usar o termo Genuino fora do país.

[Arduino e Intel via Engadget]