É como uma revelação, ou talvez como o iPad deveria ter sido moldado antes de ser vendido. Com o iOS 4.2 há multitarefa, uma caixa de entrada unificada, pastas e… a fonte Helvetica no Notes.

Nós estamos falando de um beta que está há dois meses de seu lançamento final, então nem tudo está completo. Mas o iOS 4.2 no iPad já mostra boas melhorias, mesmo que sejam coisas que as pessoas já estão acostumadas a fazer no iPhone.



Multitarefa, E-mail e Pastas

Tudo isso funciona da mesma forma que funciona no iPhone ou no iPod touch, apenas em versões maiores. Aperte duas vezes o botão principal e a uma barra de tarefas bem larga surge, e trocar os aplicativos tem toda aquela animação que elimina seu selecionado e empurra o novo escolhido para seu lugar. A única besteira é que alguns apps ainda não tem suporte ao sistema. E nós ainda não sabemos se os míseros 256MB de RAM do iPad aguentarão toda a bagunça do multitarefa.

A barra de tarefas modifica todos os tipos de controle meio malucos do iPad, uns para o bem, outros paras, bem, a confusão. Quando você desliza para a esquerda na barra de tarefas, como no iPhone, há controles permanentes do iPod, mas há também uma novidade interessante: controle de brilho. Não é mais necessário abrir as configurações quando você muda de um app de vídeos para o Instapaper e precisa deixar o brilho do jeito certo. Há também um botão de trava de orientação do acelerômetro. Mas não é para isso que existe um botão físico na lateral do iPad? Não mais – ele funciona agora como um botão de mudo, como no iPhone.

Com as Pastas, os dias de dezenas de páginas de apps acabaram, agora que você pode juntar até 20 aplicativos em uma única pasta – mesmo que a escassez de apps do iPad, em comparação ao iPhone, significasse problemas de acumulação, isso acabou. A caixa de entrada unificada. Uma caixa, para todos os seus e-mails. É exatamente o que você imagina. E, se a sensação de olhar para uma só caixa ao invés de ficar zapeando por várias já era boa no iPhone, ela faz ainda mais sentido por aqui.

Juntando as novidades, elas deixam o iPad mais suave, e mais próximo da experiência computacional que a Apple promete, e não sendo algo artificialmente limitado e aleijado do jeito que era antes, te obrigando a fazer uma coisa por vez de forma bem específica e reta.

Impressão sem fio e outros detalhes

O AirPrint foi parcialmente implementado no iOS 4.2, mesmo com a ausência do AirPlay (pelo menos, nós achamos que a presença de ambos deveria estar intrinsecamente conectada). O AirPrint se saiu muito bem quando se tratou de imprimir pelo aplicativo Photos (como a Rosa já mostrou), mas ele se recusou a imprimir qualquer tipo de coisa – como uma página do Safari – dizendo que ele não conseguia encontrar nossa impressora. Assim que a impressora estiver configurada para compartilhamento pelas configurações do Mac, fica tudo fácil.

Ah, e falando do Safari, a busca na página é uma boa adição, apesar de ser um pouco estranho encontrá-la – você meio que tem que saber que ele já está lá. É preciso escrever a palavra que você quer na barra de busca do Safari (que é confusa, já que diz que é do Google), e uma das opções será a de busca dentro da página. Feito isso, ele achará palavra por palavra, como num browser comum.

O Game Center é um pouco mais atraente do que no iPhone. A tela principal é tomada de títulos de jogos que te levam para a App Store para comprá-los em um clique. Isso faz a tela inicial ser um pouco mais viva, e menos como um gramado deserto. E a navegação com duas colunas é bem bacana.

Ah, e o detalhe que agradará muitos designers e fãs de tipografia: o Notes agora ganhou as fontes Marker Felt e Helvetica. Ambas estão nas configurações do aplicativo (via Gruber).

Mesmo com o mar de bugs que a versão ainda tem, é difícil pensar em voltar para a versão antiga do iPad.