O novo relatório "iPhone vs. Android" da Nielsen fornece as estatísticas mais recentes sobre a grande batalha móvel: ambas as plataformas têm usuários leais nos EUA, mas a Apple ainda está na frente com grande margem.

Os números não são muita surpresa, mas apesar da crescente popularidade do Android e do número de apps para a plataforma, os números da Nielsen servem como um lembrete de que a Apple ainda está na frente por uma margem confortável. Contra o Android, claro: lá, o iPhone ainda está em segundo lugar com 28%, atrás da RIM – que fabrica o BlackBerry – com 35%. O Windows Mobile tem 19%; o Android, 9%.

No Brasil, a Nokia está na frente no mercado de smartphones; os BlackBerries detêm boa parte do mercado também, assim como o Windows Mobile. E, segundo a AdMob, no Brasil há cerca de 220.000 iPhones e apenas cerca de 20.000 Androids.

Mas vai ser interessante ver como as coisas se desenrolam este ano. Com o novo iPhone chegando às lojas em questão de semanas, as pessoas que quiserem comprar um smartphone (23% dos consumidores americanos já têm um) poderão escolher ir de Apple ou explorar as várias opções de Android. Como o Matt reparou no review do Android 2.2 Froyo, o sistema está mais elegante do que nunca, e deve melhorar ainda mais nos próximos meses. E apesar de ser difícil competir com a máquina de hype do iPhone (e da Apple), o iPhone OS 4 não foi exatamente considerado tão arrebatador assim.

Outro gráfico da Nielsen mostra que ambas as plataformas possuem usuários leais: 80% de quem usa iPhone quer outro iPhone, e 70% de quem usa Android quer outro Android, e o grupo que usa Android é ligeiramente mais curioso com o iPhone do que a situação inversa (quem usa iPhone querer um Android). Mas, na minha experiência, parece que as coisas estão no sentido inverso. Com a oferta de apps no Android chegando perto do iPhone, eu vejo mais e mais pessoas considerando o Android como uma opção viável não só para elas, como algo que podem recomendar a outros.

Apesar de estar no topo, a fidelidade à BlackBerry é de apenas 47%. Eu tenho um BlackBerry Bold e definitivamente sou um dos 53% que quer mudar de smartphone quando chegar a hora de comprar um novo. Só não sei pra qual smartphone eu vou mudar. [Nielsen via CNET]