Dois bilhões de anos atrás, o planeta Terra tinha reatores naturais de fissão nuclear, queimando dentro de sua crosta. Você está olhando para os vestígios de uma delas, localizada em Oklo, no Gabão.

Os cientistas deduzem que esses reatores surgiram por causas naturais, como resultado da abundância e densidade do Urânio-235 – um isótopo do urânio natural presente em nosso planeta e em todo o Sistema Solar. Há dois bilhões de anos, existiam 3.000 átomos de U-235 para 100.000 átomos de outros materiais.

Além de ter pelo menos 1$ de U-235 e ser grande o suficiente para sustentar a reação, esses fornos nucleares naturais precisavam de uma baixa concentração de absorvedores de nêutrons (como o cádmio) e alta concentração de um material moderador (como água ou carbono). Hoje, não há nenhuma reator natural funcionando na Terra porque não há mais quantidade suficiente desses materiais.

Esses reatores naturais são importantes para entender a formação da Terra, mas são também um novo meio de se pensar a contenção de resíduos radioativos naturais. [Oklo via APOD]