Autoridades japonesas anunciaram um plano para desenvolver o supercomputador mais rápido do mundo. A proposta tem como objetivo recolocar o país como líder em avanços tecnológicos.

• UFRJ inaugura supercomputador com capacidade de 226 teraflops
• Supercomputador brasileiro é desligado por falta de dinheiro para a conta de luz



Se tudo ocorrer como planejado, a máquina irá custar 19.5 bilhões de ienes (cerca de 600 milhões de reais, na cotação atual) e será capaz de realizar 130 quadrilhões de cálculos por segundo, de acordo com a Reuters.

Em outras palavras, o supercomputador deve ter capacidade de 130 petaflops, ultrapassando com facilidade a atual máquina mais rápida do mundo – o Sunway Taihulight da China, que consegue atingir 93 petaflops.

Satoshi Sekiguchi, diretor geral do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Avançada, colocou de maneira humilde a intenção de desbancar a concorrência. “Até onde sabemos, não há nada tão rápido quanto isso”, comentou.

A iniciativa vem num momento em que o Japão espera retomar uma posição de relevância no desenvolvimento tecnológico. O primeiro-ministro Shinzo Abe tem realizado iniciativas de aproximação entre o governo e o setor privado para assegurar que o país tenha liderança em mercados como robótica, baterias, inteligência artificial e outras áreas em crescimento.

O novo supercomputador será batizado como “ABCI”, sigla para AI Bridging Cloud Infrastructure. Espera-se que ele seja capaz de competir com sistemas de deep learning como o programa DeppMind AI do Google. Além disso, ele estará disponível para empresas por meio de uma espécie de aluguel. Atualmente, companhias japonesas precisam terceirizar trabalhos que exigem processamento intenso e geralmente recorrem ao Google ou Microsoft.

A licitação para o projeto já está aberta e será finalizada no dia 8 de dezembro. O desenvolvimento deve começar no começo do ano que vem.

[Reuters]