Um japonês de 57 anos que contraiu o novo coronavírus e ameaçou intencionalmente espalhar a doença em espaços públicos morreu, segundo múltiplos meios de comunicação do Japão. O homem, que disse à sua família que ia “espalhar o vírus” ao visitar bares, faleceu em um hospital nesta quarta-feira (18).

O homem, que não foi identificado, testou positivo para COVID-19 na cidade japonesa de Gamagori em 4 de março, e foi a dois bares naquela noite, apesar da advertência das autoridades locais de saúde, solicitando que eles ficasse em casa, segundo o Kyodo News. Uma mulher na casa dos 30 anos que trabalha em um dos estabelecimentos testou positivo para o vírus em 12 de março.

Ele ainda pegou um táxi e ficou quase 15 minutos no primeiro bar que ele visitou em 4 de março, e 40 minutos no segundo bar. Aliás, neste segundo estabelecimento, um pub filipino, é onde o homem intencionalmente tocou uma mulher ao colocar o braço dele sobre ela, informa o Kyodo News. O homem também cantou no karaokê naquela noite.

Como boa parte dos casos do COVID-19, segundo relatos, ele estava assintomático quando estava bebendo e só fez o teste para a condição porque seus pais tinham sido infectados. Então, por que será que ele foi enviado para casa em vez de ficar no hospital em 4 de março, quando houve o diagnóstico? A enfermaria local de doenças infecciosas da província de Aichi estava supostamente cheia e pediram que o paciente voltasse para casa e se auto-isolasse. Aichi tem o segundo maior número de casos no Japão, contabilizando pelo menos 125 contaminados, de acordo com o Strait Times.

O pub filipino imediatamente reportou a presença do homem para as autoridades locais de saúde após ele ter confidenciado ter a doença a um funcionário, e o bar foi fechado na sequência para uma limpeza completa. O homem teria sido hospitalizado em 5 de março depois de sair à noite e morreu nesta quarta.

O Japão teve vários relatos de pessoas exibindo comportamento anti-social durante a pandemia global, incluindo um homem de 44 anos que foi preso na semana passada por fingir ter a doença e tossir perto de outras pessoas. Um homem de 54 anos de idade, na cidade japonesa de Kiryu, também foi preso na segunda-feira depois de ameaçar as pessoas em um trem e dizer a elas que tinha coronavírus. Acontece que ele estava bêbado.

O Japão está conduzindo uma média de 1.190 testes para COVID-19 por dia, aproximadamente um sexto da capacidade do país, de acordo uma reportagem do Japan Times. E, embora sejam muito mais testes do que vários países do mundo, é provável que isso oculte a extensão da doença no Japão. Atualmente, o país tem 882 casos confirmados de COVID-19 e 29 mortes, sem incluir os casos do cruzeiro Diamond Princess que anteriormente estava ancorado em Yokohama.

No Brasil, temos apenas duas mortes confirmadas, no entanto, uma delas era de um paciente infectado, mas que não foi notificado para as autoridades. Isso somado ao fato de as autoridades fazerem apenas testes em pessoas suspeitas pode fazer com que a verdadeira extensão da doença pelo País seja desconhecida. O Japão, que tem uma grande população de idosos, enfrente semanas difíceis à frente, enquanto tenta lidar com uma doença que mata desproporcionalmente os idosos.