Jovem quase morre do coração após dois anos bebendo quatro latas de energético por dia

Paciente de 21 anos precisou ficar quase dois meses internado para tratar problema renal e insuficiência cardíaca.

Foto: Tolga Akmen / AFP (Getty Images

Anos de consumo intenso de bebidas energéticas quase mataram um jovem, dizem médicos do Reino Unido. Em um novo relatório publicado esta semana, eles detalham como o homem desenvolveu insuficiência cardíaca provavelmente ligada ao hábito de beber quatro energéticos por dia durante dois anos consecutivos. Ele foi parar na UTI como consequência, mas felizmente sobreviveu.

De acordo com o relatório, publicado na quinta-feira (15) no BMJ Case Reports, um britânico de 21 anos foi a um hospital local com queixas de falta de ar e inchaço abdominal. Seus sintomas, que também incluíam perda de peso, tremores, batimento cardíaco acelerado e fadiga geral, começaram quatro meses antes e estavam piorando progressivamente. Sua saúde havia piorado tanto que ele havia parado de ir à escola três meses antes. Os testes logo revelaram que o homem tinha insuficiência cardíaca e renal, a ponto de danificar seu cérebro e causar delírios.

O homem negou o uso de álcool ou outras drogas, e nada mais em sua história familiar parecia indicar uma vulnerabilidade única a problemas cardíacos. Mas ele descreveu beber regularmente até quatro latas de 500 ml de energético por dia nos últimos dois anos.

Os médicos concluíram que a insuficiência cardíaca do homem foi provavelmente causada por seu consumo pesado de bebida energética, que provavelmente danificou seu coração lentamente ao longo do tempo. Sua insuficiência renal, por outro lado, foi causada por um bloqueio crônico da urina nos rins e na uretra, mas provavelmente não estava relacionada a este hábito ou aos danos cardíacos.

Sem tratamento intensivo, ele corria sério risco de morrer. No terceiro dia após ser internado, o homem foi transferido para um hospital especializado. Ele ainda passaria 58 dias lá, grande parte dele em diálise. No fim, ele recebeu alta com uma saúde relativamente decente.

“Não há dúvida de que se sua insuficiência cardíaca não tivesse sido detectada e tratada, incluindo o tratamento de coágulos sanguíneos encontrados em seu coração quando ele estava com um desempenho muito ruim, ele teria um risco muito alto de morte por insuficiência cardíaca ou potencialmente um AVC fatal”, o autor do estudo, Andrew D’Silva, cardiologista da Guy’s and St Thomas’ NHS Foundation Trust e pesquisador do King’s College London, disse ao Gizmodo por e-mail.

Como os autores observam, este não é o primeiro caso de dano cardíaco relacionado ao uso de energéticos em pessoas jovens e aparentemente saudáveis. Em 2012, médicos relataram um caso semelhante em um homem de 24 anos com insuficiência cardíaca; seu problema fez com que ele precisasse de um respirador. E no ano passado, médicos relataram um caso em que um jovem de 26 anos precisou de 10 meses de tratamento, incluindo suporte mecânico, após insuficiência cardíaca associada a bebidas energéticas.

Esses casos parecem ser raros, mas ainda não está claro como essas bebidas podem contribuir para danos ao coração. Um provável culpado são as doses enormes de cafeína por bebida. Estimulantes como ela podem fazer o coração bater mais rápido e mais forte, observa D’Silva. Mas ele também suspeita que algumas pessoas são simplesmente mais suscetíveis do que outras aos efeitos negativos à saúde causados pelo uso excessivo dessa substância.

“Em alguns indivíduos, quando o coração bate mais rápido do que o necessário por um período prolongado de tempo, isso pode enfraquecer temporariamente o coração. Além disso, se o coração for estimulado a bater mais forte, ele pode se tornar superestimulado e diminuir a regulação de seus receptores para estimulantes, incluindo hormônios normais do corpo, como adrenalina e noradrenalina, que são parte da chamada ‘reação de lutar ou fugir’”, disse ele. “Isso pode resultar em uma fraqueza temporária, pois o coração se torna menos sensível aos controles normais.”

Por enquanto, essas possíveis explicações ainda são especulação. E, no geral, é necessário que mais pesquisas sejam feitas para investigar a ligação entre bebidas energéticas e problemas cardíacos, incluindo descobrir se alguns indivíduos são mais vulneráveis ​​a ela.

Quanto ao jovem, D’Silva disse que está indo muito bem depois de parar o uso de bebidas energéticas. Embora seus rins ainda estejam prejudicados e ele possa precisar de um transplante, seu coração parece estar quase de volta ao normal com base em testes. Ele também é capaz de caminhar quilômetros e não tem mais problemas como falta de ar ou retenção de líquidos. Embora possa haver muitas incógnitas sobre os perigos do uso de bebidas energéticas, ele espera que as pessoas possam aprender com sua experiência.

“Acho que deveria haver mais consciência sobre as bebidas energéticas e o efeito de seus ingredientes. Eu acredito que eles são muito viciantes e muito acessíveis para crianças pequenas”, escreveu o homem em uma perspectiva de paciente publicada junto com o relatório. “Acho que rótulos de advertência, assim como os de cigarros, devem ser colocados para ilustrar os perigos potenciais dos ingredientes das bebidas energéticas.”

Os médicos também devem estar atentos à possibilidade desses produtos causarem problemas cardíacos desse tipo, embora isso somente deva ser cogitado após uma extensa investigação para descartar outras causas, disse D’Silva.

Sair da versão mobile