Um juiz do Texas ordenou que a Microsoft pare de comercializar permanentemente o Word nos EUA. Será que isso chega até a Suprema Corte?

De acordo com os advogados do autor da ação:

A ordem judicial proíbe a Microsoft de vender ou importar aos EUA quaisquer produtos Microsoft Word que tenham a capacidade de abrir arquivos .XML, .DOCX ou .DOCM (arquivos XML) que contenham XML personalizado.

Isso depois de um juiz federal declarar que o XML personalizado — presente no Word 2003 e 2007 — viola as patentes do autor da ação, a desenvolvedora canadense i4i, e exigir que a Microsoft pague 200 milhões de dólares em danos.

A ordem, que deve ser posta em prática em até 60 dias, exige o pagamento de mais 40 milhões de dólares por desrespeito com intento à lei, e proíbe vendas, testes e demonstrações de qualquer versão do Word que contenha o XML personalizado. Mas isso não deve se transformar em algo enorme, à la antitruste nos EUA e Europa: a Microsoft deve fazer algum acordo, ou recorrer da decisão antes de entrar com ação em instâncias superiores. [Cnet]