Essa é uma das primeiras imagens capturadas pela sonda Juno desde a chegada à órbita de Júpiter na semana passada.

Não é a foto mais incrível que já vimos de Júpiter e de suas luas, mas é um sinal positivo de que a JunoCam — que irá capturar fotos panorâmicas de Júpiter a altitudes de até 5.000 km — está funcionando e é capaz de transmitir os dados. O equipamento foi ligado seis dias depois da queima do motor principal e da entrada da sonda na órbita do planeta.



>>> O impressionante som da turbulência que uma nave sofre ao cruzar o campo magnético de Júpiter
>>> Cinco fatos surpreendentes sobre a missão da NASA para Júpiter

“Essa imagem vinda da JunoCam indica que ela sobreviveu ao ambiente de radiação extrema de Júpiter sem nenhuma degradação e que já está pronta para capturar fotos do planeta” disse Scott Bolton, diretor do Southwest Research Institute, em um comunicado. “Mal podemos esperar para ter a primeira vista dos polos de Júpiter.”

Juno já havia enviado no começo desse mês uma imagem com muito ruído de Júpiter e de suas luas gigantes, mas essa é a primeira foto capturada pela sonda dentro da órbita do planeta.

A nova foto foi tirada no dia 10 de julho e a sonda estava a 4.3 milhões quilômetros de distância de Júpiter. A imagem pode até ter baixa resolução, mas ainda assim é possível perceber algumas características da atmosfera — incluindo a famosa Grande Mancha Vermelha — e as três maiores luas de Júpiter: Io, Europa e Ganímedes (da esquerda para a direita).

Segundo a NASA, as primeiras imagens em alta resolução serão tiradas no dia 27 de agosto, quando a sonda fará uma passagem bem próxima ao planeta. De fato, as fotos ficarão cada vez melhores a partir de agora.

Futuramente, a JunoCam será usada para tirar fotos inéditas das polos e das nuvens na atmosfera de Júpiter. Durante a missão, a sonda irá circular o planeta 37 vezes, chegando perto de 4.100 km.

[NASA]