Levou menos de uma hora para um júri federal de Los Angeles (EUA) deixar de lado um caso de difamação no valor de US$ 190 milhões contra Elon Musk. Chamar alguém de pedófilo para uma audiência de milhões de seguidores do Twitter não é uma acusação, segundo o júri, pois as palavras são complicadas e podem significar um monte de coisas. Por mais acusador que seja, o que foi dito não foi considerado necessariamente difamação.

Então, por exemplo, se eu digo que o Elon Musk é um sociopata homicida, não quero que você interprete isso de forma literal. É confuso, eu sei, mas você vê que estou usando uma definição menos comum, que significa simplesmente “uma pessoa que considero desagradável e que eu, claramente, não dividiria meu sorvete”.



O veredicto foi proferido após um julgamento de quatro que incluiu seis horas de depoimento do CEO da Tesla e da SpaceX. Ao sair do tribunal, Musk disse sobre o veredicto: “Minha fé na humanidade foi restaurada”, segundo uma reportagem da Reuters.

Como na maioria dos incidentes envolvendo o bilionário temperamental, esse processo de longa data começou com um tuíte ruim.

No ano passado, Musk lançou o que pode ser descrito como uma birra no Twitter depois que o explorador de caverna britânico Vernon Unsworth zombou publicamente do esforço de Musk para resgatar 12 meninos tailandeses e seu treinador de futebol que ficaram presos no complexo inundado Tham Luang. Em uma entrevista à CNN, ele descreveu o submarino em miniatura que Musk entregou pessoalmente à tripulação (apesar de literalmente ninguém pedir) como completamente inútil e uma ação publicitária por parte dele, acrescentando que Musk poderia “enviar o submarino onde dói” seja lá onde for isso.

Musk quis responder à altura: repreendendo Unsworth como um suspeito de “pedofilia” em uma série de tuítes agora excluídos. De acordo com o advogado de Unsworth, L. Lin Wood, as aparentes sugestões de Musk de que ele era um pedófilo “jogou uma bomba nuclear” na reputação e nas perspectivas de emprego de seu cliente, levando-o a ficar “frente a frente com um valentão bilionário” no que se tornou um dos primeiros processos de difamação cometidos por um cidadão privado a serem julgados por tuítes, de acordo com uma reportagem da Reuters.

Por fim, um júri rejeitou a reivindicação de US$ 190 milhões, apoiando a equipe jurídica de Musk. Liderados pelo advogado Alex Spiro, os advogados de Musk argumentaram que “pedo guy” (que em português é literalmente pedófilo) era uma gíria para “cara velho esquisito” e embora Musk tenha demonstrado um tom sério, dizer coisas ruins sobre alguém online não deve ser interpretado como uma acusação literal.

“Durante uma briga, você insulta as pessoas”, disse Spiro à Reuters. “Não há bomba. Nenhuma bomba explodiu [ao se referir ao termo usado pela acusação de que Musk teria jogado uma ‘bomba nuclear’ sobre seu cliente]”.

Ao qual eu gostaria apenas de acrescentar que não, os insultos não são inerentes às brigas quando os envolvidos têm habilidades de comunicação saudáveis. No entanto, como vimos várias vezes em sua conta no Twitter, isso definitivamente não é uma habilidade de Musk.