Um dos primeiros escândalos do Google envolvendo privacidade, a coleta de dados na surdina pelos carros que fazem as imagens do Street View ainda reverbera. E agora que o tema esquentou com toda a história do PRISM e a espionagem das comunicações brasileiras, coincidência ou não ela voltou aos noticiários — e às atenções do governo.

Terça-feira passada (9) a Justiça concedeu uma liminar que obriga o Google a prestar esclarecimentos sobre a coleta de dados realizada pelos carros do Street View em 2010. Na época, após o caso explodir, o Google admitiu o problema, afirmou que só colhia dados de redes sem fio abertas e se desculpou publicamente. Para o governo brasileiro, parece não ser o bastante.

O que se procura com essa liminar é saber a natureza e a quantidade dos dados coletados, além da destinação. Até onde se sabe, o Google utilizava tais informações para melhorar a precisão dos seus serviços de geolocalização, em especial no Android — tanto que, após o escândalo, a empresa parou de usar carros e passou a usar os próprios smartphones e tablets para tal finalidade.

À Folha, o Google alegou que todos os problemas nesse sentido foram sanados na época e que, desde então, nada novo surgiu nos seus carros. A empresa ainda não foi intimada, mas quando isso acontecer terá cinco dias para prestar esclarecimentos sob pena de multa diária de R$ 15 mil. [Folha]