Quando o Pirate Bay foi derrubado em dezembro, o KickassTorrents se tornou o maior site para busca de torrents. A popularidade teve suas consequências: ele usava o código de país da Somália, que deveria ser mais leniente em relação à pirataria – mas o domínio kickass.so foi banido.

A Somália dominou as manchetes até 2013 por causa de ataques piratas a navios cargueiros que passassem por seu litoral. Essa história até virou um filme indicado ao Oscar! Só que a pirataria em sites .so, da Somália, não é tão fácil assim.

Como explica o Register, este código de país (ou ccTLD) é administrado pela empresa japonesa GMO Registry, que faz parte do enorme grupo GMO Internet – está bem longe do que esperamos do governo somali. Quem compra um domínio com .so precisa assinar um contrato que avisa: “estas políticas, conforme alteradas de tempos em tempos, serão regidas pelas leis do Japão”.

Depois que o Google mudou seu algoritmo e fez grandes sites de torrent “desaparecem” das buscas, o KickassTorrents resolveu trocar de domínio. Poucos meses depois, o kickass.so foi banido:

Kickass.so banido

Isso significa que os servidores de nome de domínio não conseguem mais estabelecer a ponte entre o nome de domínio (kickass.so) e o endereço IP do site – o KickassTorrents continuou funcionando, mas ninguém conseguia acessá-lo.

Eles voltaram para o domínio kickass.to em algumas horas, que era usado desde pelo menos 2013. Os sites .to são administrados pelo Reino de Tonga, uma ilha no Oceano Pacífico.

Como lembra o TorrentFreak, o Pirate Bay também teve que trocar várias vezes de domínio, indo de thepiratebay.ac para thepiratebay.sx e voltando para o domínio na Suécia. O PopcornTime, o “Netflix para torrents”, também teve seu domínio derrubado e foi forçado a se mudar. É o preço do sucesso. [The Register e TorrentFreak]