Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA fecharam um importante centro de pesquisa militar por não cumprir os padrões de segurança estabelecidos, interrompendo pesquisas importantes sobre alguns dos patógenos e toxinas mais perigosos do mundo.

Após uma inspeção em junho, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) emitiram uma ordem de cessação e desistência para o laboratório de biodefesa Fort Detrick, segundo o Frederick News-Post. Toda a pesquisa no laboratório, conduzida pelo Instituto de Pesquisa Médica do Exército de Doenças Infecciosas (USAMRIID), envolvendo uma lista seleta de micróbios e toxinas perigosos, está suspensa.

De 1943 a 1969, Fort Detrick foi o lar do programa ofensivo de armas biológicas dos EUA. Hoje, o campus do Exército abriga várias instituições, incluindo o USAMRIID, que realiza pesquisas públicas e privadas sobre alguns dos patógenos e toxinas mais perigosos do mundo, incluindo Ebola, antraz e as bactérias responsáveis ​​pela peste.

Após a inspeção de junho, o CDC encontrou “vários elementos que causaram preocupação em relação aos procedimentos operacionais padrão”, informou o Frederick News-Post. Entre os problemas citados, a instalação não possuía sistemas suficientemente capazes de descontaminar as águas residuais, faltava “treinamento periódico de recertificação para os trabalhadores nos laboratórios de biocontenção” e o local não atendia aos padrões estabelecidos pelo Federal Select Agent Program (Programa Federal de Agentes Seletos, em tradução livre), entre outras deficiências, disse Caree Vander Linden, porta-voz do USAMRIID, ao Frederick News-Post. O CDC não pôde fornecer detalhes mais específicos por “razões de segurança nacional”, relatou o New York Times.

É importante ressaltar que nenhum agente patogênico ou toxina perigosa escapou da instalação, e o público nunca correu risco algum, de acordo com Vander Linden.

Em declaração ao NYT, Vander Linden disse que poderia levar “meses” até que o programa de defesa biológica seja capaz de reiniciar as operações, período durante o qual o USAMRIID trabalhará para atender aos requisitos do CDC para que a suspensão seja revogada. A ordem de cessação ocorreu porque o registro do USAMRIID no Federal Select Agent Program era inválido e, sem a devida autorização para possuir e manusear patógenos e materiais perigosos, todas as pesquisas na instalação tiveram que ser interrompidas. Dito isso, o USAMRIID ainda pode oferecer seu conhecimento no caso de um surto ou contaminação.

“O Programa Federal Select Agent supervisiona a posse, uso e transferência de agentes biológicos seletos e toxinas, que têm o potencial de representar uma ameaça grave à saúde pública, animal ou vegetal ou a produtos animais ou vegetais”, segundo o site correspondente do CDC. Normalmente, o USAMRIID está autorizado a lidar com esses “agentes seletos” super perigosos, dos quais o CDC atualmente identifica 67, incluindo SARS, botulinum, antraz e ricina.

Conforme relatado pelo Frederick News-Post, a instalação da USAMRIID em Fort Detrick estava investigando três desses agentes de maior classificação quando recebeu a ordem de cessação e desistência: o vírus Ebola, Yersinia pestis (a bactéria responsável pela peste) e Francisella tularensis (a bactéria responsável pela tularemia, também conhecida como febre da mosca do cervo e febre do coelho).

Em maio de 2018, tempestades causaram uma inundação nas instalações de Fort Detrick, danificando seriamente sua planta de esterilização a vapor de 10 anos, que fornece gerenciamento de águas residuais de alta tecnologia. A usina ficou desligada por meses e o incidente resultou em procedimentos aprimorados de biossegurança. Mas, como Vander Linden disse ao Frederick News-Post, os novos protocolos aumentaram significativamente a “complexidade operacional” na instalação. A inspeção do CDC descobriu que “os novos procedimentos não estavam sendo seguidos consistentemente”, juntamente com a descoberta de “problemas mecânicos com o sistema de descontaminação com base química, bem como vazamentos [dentro do laboratório]”, relatou o New York Times.

Não é uma boa notícia um laboratório líder em pesquisa estar agora inoperante (espero que apenas temporariamente), mas é bom que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças sejam um defensor da segurança; a organização está certamente fazendo jus ao seu nome. Qualquer operação que lide com agentes como o antraz claramente precisa de um sistema de controle robusto.