Há um risco conhecido de ferimentos graves por impacto de projéteis, seja por força bruta ao ser atingido muito de perto, seja por atingir uma parte sensível do corpo.

Isso é o que diz o pesquisador de segurança Neil Davidson. Dada a força de um lança-granadas, parece fazer sentido. Por outro lado, Wes Burgei — um engenheiro da Junta Diretora de Armas Não-Letais do Departamento de Defesa dos EUA — diz que o dispositivo foi projetado para "reduzir a massa do projétil e mitigar a força do impacto no alvo através de um design inovador". Sei lá. Eu acho que, de qualquer maneira, o alvo preferiria isso do que uma bala.

O custo de desenvolvimento do Taser militar é de US$ 2.5 milhões, mas não custará um centavo aos em breve incapacitados por ele. [New Scientist]