“Sabia que ia ser miado.” Foi assim que o engenheiro Marcos Tomazzini, 36, o primeiro a comprar o iPhone 6s na Apple Store Morumbi, em São Paulo, definiu o movimento fraco do início das vendas do telefone da Apple, nesta sexta-feira (13). No total, em frente à loja, havia cerca de 20 pessoas, sendo que pelo menos cinco eram fotógrafos ou jornalistas.

Tomazzini sempre teve produtos Apple e comprou dois iPhone 6s Plus de 64 GB. “Só estou comprando pois já consegui vender o meu iPhone 6 e o da minha esposa por R$ 3.000 cada. Só estou inteirando para comprar esse mais novo”, explicou ele ao Gizmodo Brasil, enquanto estava na fila. “Se não fosse isso, dificilmente compraria o telefone por aqui. Está muito caro.”

primeirofila

Esse “esquema” de vender um iPhone antigo para comprar um novo parecia um padrão entre os que estavam na fila. O segundo, Antônio Sérgio, 53, fez o mesmo. Morador do Sergipe, ele estava em São Paulo e comprou um modelo novo para o filho, que é desenvolvedor.

O fato é que as filas para início de venda de produtos da Apple não são mais “aquelas”. Com preços exorbitantes e a estreia de uma loja própria, até o buzz em operadoras e varejistas foi reduzido, pelo menos agora na estreia. Nada de champanhe ou celebridades fazendo presença VIP. No Shopping Morumbi, por exemplo, onde tradicionalmente havia filas durante a estreia, não tinha gente em frente às lojas.

Os preços do iPhone 6s variam entre R$ 3.999 (iPhone 6s 16 GB) e R$ 4.899 (iPhone 6s Plus 128 GB). E, diferente dos EUA, não haverá aquele esquema mensal para receber novos iPhones assim que é lançado um novo. Segundo a Apple, apenas operadoras entrarão nesse modelo de negócios no país, por enquanto.

iphone6splus

Os novos iPhones são mais rápidos, contam com um corpo de alumínio 7000 (para evitar um novo bendgate) e contam com Touch ID duas vezes mais rápido em reconhecer sua impressão digital. A empresa também atualizou a câmera traseira com um sensor de 12 megapixels que grava vídeos em 4K e a frontal, que tem um sensor de 5 megapixels e usa a tela como “flash” para selfies.

O mais legal no iPhone 6s, no entanto, é o 3D Touch. O recurso reconhece o nível de pressão colocado na tela: você pode tocar com um pouco mais de força para abrir a prévia de um e-mail, ou uma lista de comandos em alguns apps. Pressionando um pouco mais forte, você consegue entrar no app.

Em nosso review do aparelho, gostamos de quase tudo. Ele, literalmente, tem a cara do seu antecessor e conta com alguns novos atributos. Sinceramente, quem tem um iPhone 6 não perderá tanto e não há muitas razões sólidas para fazer a troca. O novo modelo, porém, pode ser um belo upgrade para quem conseguir vender seu iPhone antigo a um bom preço e completar a diferença, pois por R$ 4 mil, meu amigo, fica difícil a situação.