Talvez você não queira que ninguém leia o trabalho que você fez como estudante universitário. Eu com certeza não quero. Mas nós não somos Stephen Hawking, físico renomado mundialmente, cuja tese de doutorado agora pode ser lida de graça online.

• Estamos um passo mais próximos de provar que buracos negros evaporam
• Stephen Hawking e bilionário russo querem construir nanonaves interestelares

A Universidade de Cambridge disponibilizou gratuitamente para qualquer um o trabalho de Hawking, “Propriedades dos Universos em Expansão”, diante de uma demanda extraordinária. Afinal de contas, esse era o link mais pedido em seu repositório de Acesso Aberto online, de acordo com um comunicado de imprensa. Hawking contou à Cambridge que havia tomado a decisão esperando “inspirar pessoas ao redor do mundo a olhar para as estrelas e não para baixo, para seus pés”.

As pessoas parecem gostar desse tal de Stephen Hawking. Seu livro, Uma Breve História do Tempo, já vendeu dez milhões de cópias. Ele já fez aparições para lá e para cá na cultura pop, de The Big Bang Theory Os Simpsons. Ele é assunto do filme A Teoria de Tudo, vencedor de um Oscar. Mas Hawking é conhecido na ciência por explorar tópicos mais esotéricos na física. Talvez sua ideia mais famosa seja a radiação Hawking, a teoria que liga a matemática da gravidade à física quântica para concluir que buracos negros evaporam ao cuspir partículas de sua superfície.

A tese discute alguns dos pontos mais falados na física, especificamente as “implicações e consequências da expansão do universo”. Essa expansão causa dificuldades a uma teoria da gravitação e tem implicações em como a gravidade irradia através do universo, movendo sua energia como ondas. Ela também descreve a inevitabilidade das singularidades, regiões de densidade infinita e volume zero encontradas nos centros de buracos negros ou no começo do universo.

Essas ideias continuam suscitando debates. Enquanto isso, Hawking, aos 75 anos de idade, ainda vive como figura pública, apesar de sua luta de 50 anos contra a esclerose lateral amiotrófica (“Doença de Lou Gehrig” ou ELA), doença à qual suas vítimas raramente sobrevivem por mais de uma década.

O comunicado de imprensa vem junto com um interesse crescente no movimento de Acesso Aberto, permitindo-nos acessar artigos científicos publicados de graça. Isso não tem sido acompanhado sem controvérsia, com periódicos científicos suspeitos tentando se aproveitar do sistema para conseguir um dinheiro fácil. A Universidade de Cambridge incentiva seus estudantes a tornar suas teses de doutorado livres ao acesso ao colocá-las online, de acordo com o comunicado.

Então, se você tiver um tempo livre, aprecie a leve leitura da tese de doutorado de 120 páginas de um notável físico (em inglês).

[Cambridge]

Imagem do topo: AP