Em 6 de outubro, a Christie’s, uma das empresas de arte mais importantes do mundo, leiloará Stan — um dos esqueletos de tiranossauro mais completos já encontrados. O esqueleto pode atingir um preço recorde no leilão, com estimativas de até US$ 8 milhões.

Com 3,9 metros de altura e quase 12 metros de comprimento, Stan seria uma adição espetacular a qualquer museu. Uma possibilidade mais esquisita seria ver o esqueleto cair na coleção particular de algum milionário para nunca mais ser visto em público. Mas essas são só possibilidades. Por enquanto, a Christie’s se prepara para leiloar o impressionante esqueleto durante seu evento 20th Century Evening Sale na cidade de Nova York.



“É uma oportunidade única em uma geração de adquirir um tiranossauro rex tão completo quanto este”, disse James Hyslop, chefe do departamento de ciência e história natural da Christie’s, à AFP.

Crânio do Stan é tão pesado que uma réplica é usada quando o fóssil está à mostra, enquanto o crânio original é mantido em um local para observação. Crédito: Christie’sCrânio do Stan é tão pesado que uma réplica é usada quando o fóssil está à mostra, enquanto o crânio original é mantido em um local para observação. Crédito: Christie’s

O esqueleto, formalmente denominado BHI 3033, deve render algo entre US$ 6 milhões e US$ 8 milhões, com a possibilidade de superar muito este valor. O atual recorde de preço para um esqueleto de tiranossauro rex pertence a Sue, que foi vendido por US$ 8,36 milhões ao Field Museum of Natural History em Chicago em 1997. É possível que o quase tão impressionante Stan (Sue é maior e um pouco mais completo) poderia ser vendido por mais, pois “representa um dos esqueletos fósseis mais completos da espécie de dinossauro mais famosa que já existiu”, como explicou a Christies’s em seu site.

Stan recebeu o nome de Stan Sacrison, um paleontólogo amador que descobriu o esqueleto em 198 em um terreno privado perto de Buffalo, na Dakota do Sul (EUA). Os ossos foram retirados da Formação Hell Creek, famosa por conter fósseis de dinossauros. O esqueleto remonta ao Cretáceo Superior, cerca de 66 milhões a 67 milhões de anos atrás.

A Christie’s diz que levou 30 mil horas de trabalho para escavar o fóssil e juntá-lo novamente. Os paleontólogos do Black Hills Geological Research Institute realizaram este trabalho, que começou em 1992 e levou três anos para ser concluído, relata a AFP.

O esqueleto foi posteriormente exibido no instituto de Black Hills em Hill City, mas esses ossos contribuíram para alguns trabalhos científicos muito sérios ao longo dos anos. Em 2005, uma réplica do crânio demonstrou exercer uma força de mordida de quatro toneladas por polegada quadrada, que poderia facilmente esmagar um carro.

Uma pesquisa de 2012 sugere que os dentes da frente do dinossauro carnívoro eram adequados para agarrar e puxar, seus dentes laterais foram construídos para rasgar a carne e seus dentes de trás cortaram pedaços de carne em preparação para engolir. Além disso, perfurações no crânio, juntamente com vértebras cervicais fundidas, sugere que Stan, um macho que morreu por volta dos 20 anos, conseguiu sobreviver a ataques de membros de sua própria espécie.

Uma das réplicas de Stan que foram criadas durante os anos. Esta fica em Rotunda, na Dakota do Sul. Crédito: Doug Dreyer/APUma das réplicas de Stan que foram criadas durante os anos. Esta fica em Rotunda, na Dakota do Sul. Crédito: Doug Dreyer/AP

Como relata a AFP, cerca de 50 esqueletos de tiranossauros rex foram encontrados desde 1902, com esqueletos quase completos sendo poucos e distantes entre si. Se Stan fosse vendido a algum milionário anônimo e nunca mais fosse visto, isso seria trágico, mas não uma catástrofe completa. Até agora, o Black Hills Institute — uma empresa de fósseis com fins lucrativos — vendeu dezenas de réplicas de Stan para museus ao redor do mundo, cada um custando US$ 100 mil.

Stan estará em exibição pública na loja principal da Christie’s no Rockfeller Center em Nova York até 21 de outubro. O esqueleto pode ser visto pela janela, então caso você esteja pela cidade, vale dar uma olhada antes que ele desapareça para sempre.

Esperamos que Stan seja vendido a um museu bem estabelecido e colocado em exibição pública para que todos possam ver. Sério, descobertas únicas como essa devem automaticamente fazer parte do patrimônio público.