A Lenovo anunciou hoje toda sua nova linha de notebooks e desktops para o mercado brasileiro. O de sempre: foco corporativo da linha ThinkPad — agora com processadores atualizados –, meio termo com a família Edge e para usuário final na linha IdeaPad. O que temos de novo: a chegada da máquina X1, uma das mais poderosas e interessantes que a Lenovo já fez. E, claro, outro detalhe bem importante: a empresa garante que lança “nas próximas três ou quatro semanas” um tablet corporativo em território nacional.

O ThinkPad X1, apesar de manter o acabamento em preto fosco sóbrio que é apenas quebrado pelo trackpoint clássico no centro do teclado, é uma máquina bem interessante. Trata-se de uma máquina fininha, leve (2 quilos) e que não abriu mão de uma alta configuração: as opções de processador vão de Core i5 para Core i7, a memória tem até 8GB e há a opção por um HD de 320GB ou um SSD de 160GB.

Mas um mar de configurações não ganha jogo, e a Lenovo escolheu outros caminhos para mostrar as mágicas do X1. Jason Patrocinio, diretor de produto da Lenovo no Brasil, fez questão de subir no notebook, jogar água em seu teclado e pedir para um jornalista tentar quebrar a tela com uma chave — e ele jura de pé junto que a máquina usada era a dele. Nada aconteceu e a máquina continou funcionando — a tela, de 13,3 polegadas, usa Gorilla Glass.  A máquina chega para ser a nova topo de linha da empresa e tem preço que faz jus ao cargo de CEO dos notebooks: a configuração básica (Core i5 2520M, 4GB de RAM e HD de 320GB) custará R$6.499.

Tablet do trabalho, tablet de casa

Questionado sobre a possibilidade de produzir tablets no Brasil, Patrocinio mostrou uma máquina secreta que deverá chegar ao país nas próximas semanas: o ThinkPad Tablet (sim, esse é o nome, pelo menos por enquanto). O tablet estava desligado, mas já tivemos uma ideia de como seu foco é diferente, já que ele estava com um teclado destacável no pacote, lembrando a solução usada pela Asus no Transformer.

O tablet rodará Android e, segundo os executivos, ele terá uma série de soluções empresariais de software para ser oficialmente o tablet das empresas. Os executivos não descartaram a produção nacional e juraram de pés juntos que o aparelho “custará menos do que nosso principal competidor”.

Além do primeiro tablet corporativo, a empresa também acredita que deve lançar até o Natal seu primeiro tablet voltado para o consumidor final — baseado no anterior, chutamos que o nome será IdeaPad Tablet. Por que a demora? Segundo Jorge Moncau, gerente de produto da linha IdeaPad, a ideia é lançar um produto “único”, que não seja mais do mesmo. “Não queremos colocar um hardware, queremos colocar uma solução no mercado”, deixando claro que o aparelho terá uma loja própria de apps e outras soluções criadas pela empresa.

Assim, a Lenovo escolheu primeiro o caminho corporativo — área em que a empresa já tem diversos parceiros e mais cacoete na hora de vendas — para adentrar na barulheira dos tablets. Com teclado destacável e promessa de mais uma série de periféricos para o brinquedo, fica a pergunta: você gostaria de ter um tablet corporativo?