O G7 não está nem disponível ainda (suas vendas começam em 1º de junho nos EUA), mas isso não impediu a LG de apresentar um outro smartphone grande e caro, o V35.

• Básico e com bateria de respeito, Moto E5 Plus chega ao Brasil por R$ 949
• O iPhone “barato” de nova geração pode abandonar um recurso que você provavelmente nunca usou

timing é bastante incomum, considerando que os telefones da série V da LG normalmente não chegam antes do último trimestre do ano e que o “35” no nome sugere que este telefone seja meramente um “meio-passo” antes de um novo V40 ser anunciado mais tarde neste ano. E com um design de vidro na dianteira e na traseira, com cantos arredondados e câmeras duplas traseiras, o V35 parece ter muito do estilo do G7.

Porém, quando você olha com um pouco mais de atenção, existem algumas importantes diferenças entre os dois que me fazem querer que o V35 fosse o celular principal da LG em vez do G7.

Diferentemente do G7, o V35 não tem um botão dedicado ao Google Assistente ou um notch no topo de sua tela. E pelo fato de a LG não incluir o alto-falante Boombox, do G7, o V35 tem uma bateria maior, de 3.300 mAh, em comparação com a de 3.000 mAh do G7. Assim como celulares LG do passado, o V35 tem até um botão home, que fica embutido em seu sensor de impressões digitais na traseira do celular, em vez de encher o lado do telefone com mais uma coisa a se apertar. É quase como se a LG tirasse todo o charme e personalidade que esqueceu de incluir no G7 e poupou para o V35.

A configuração dedicada para o Google Lens facilita a descoberta e o uso do recurso muitas vezes ignorado no Google Fotos. Foto: Sam Rutherford (Gizmodo)

Enquanto isso, quase todas as melhores coisas do G7 estão também no V35. Ele tem um processador Snapdragon 845, 6GB de RAM (contra 4GB do G7), 64GB de armazenamento (com um slot para microSD), certificação IP68 de resistência à água, câmeras traseiras duplas de 16MP, microfones que captam sons distantes e o mesmo DAC de 32 bits para os amantes de fones de ouvido sem fio.

O V35 tem até mesmo uma tela OLED de seis polegadas, que, como você pode ver pelas imagens, não é tão clara quanto o painel LCD de 6,1 polegadas e 1000 nits do G7. Mas o que o V35 não tem de iluminação ele compensa em cores, com tons mais ricos e saturados que o G7 não pode igualar. Então, por dentro, a LG fez uma parceria com o Google para tornar o Google Lens parte do app de câmera do V35. Agora, é mais fácil usar a inteligência artificial do Google para identificar flores ou diferentes tipos de cachorros sem precisar vasculhar o Google Fotos. É uma tática parecida com o que a Samsung tem tentado fazer com o Bixby Vision, só que um pouco mais direta.

Portanto, embora eu não tenha passado muito tempo com o V35 em mãos para fazer qualquer tipo de julgamento final, este smartphone tem elementos suficientes para me fazer pensar por que a LG sequer se dá ao trabalho de ainda criar uma série de telefones G. O que começou como uma linha peculiar feita para demonstrar pedaços de tecnologias aleatórias agora evoluiu para se tornar os aparelhos mais interessantes da LG. Infelizmente, com a expectativa de o preço estaria na casa dos recentes dispositivos da série V (cerca de US$ 800 nos EUA), o V35 pode ainda ser um pouco caro demais para o bolso de muita gente.

Imagem do topo: Sam Rutherford (Gizmodo)