O Firefox tem sido há muito tempo o navegador preferido pelos usuários experientes, por seu conjunto impressionante de funções, extensibilidade e abertura. Mas o Chrome – navegador ágil, leve, também extensível e aberto – conquistou a base de usuários central do Firefox. Eis o porquê:

Na segunda-feira, o Lifehacker pediu a seus leitores que votassem em seu navegador preferido, e os resultados foram surpreendentes. Nós esperávamos ver um salto na utilização do Chrome desde a última enquete (onde o Firefox estava em 57% e o Chrome, em 21%), mas não esperávamos ver o Chrome ultrapassar o Firefox em preferência em quase 10 pontos percentuais. Mais especificamente, das 40.000 respostas, 42% dizem preferir o Chrome; 33% escolhem o Firefox.



Aqui no Gizmodo Brasil, temos as estatísticas de utilização de navegador, o que não é o mesmo que a enquete acima – nem sempre você usa seu navegador preferido para entrar no Gizmodo. Os números: em setembro, 34% dos leitores acessavam o site com o Firefox; o Chrome fica em segundo lugar, com 30% dos acessos. Ano passado, o Firefox correspondia a quase 50% dos acessos, e o Chrome só a 10%.

Nós usamos e apoiamos o Firefox no Lifehacker desde que abrimos nossas portas, lá nos idos de 2005, e nós talvez nunca sejamos capazes de expressar o amor que sentimos pelo Firefox por nos resgatar das garras do Internet Explorer. Mas se nossa enquete indica alguma coisa, é que temos um novo xerife na cidade. Eis como e por que o Chrome está superando o Firefox entre usuários experientes.

 

Resolvendo problemas despercebidos

O Chrome consertou problemas e fez melhoras na experiência de navegação que muitos de nós nem percebíamos, até que o Chrome os consertasse. Você pode instalar e começar a usar as extensões do Chrome sem reiniciar o navegador; o Chrome isola as abas em processos separados para que, se uma aba travar, o navegador não trave todo; e uma das minhas coisas favoritas: quando eu fecho uma aba, as outras não se redimensionam até que o ponteiro do mouse saia da barra de abas – ou seja, não preciso me preocupar em atingir alvos em movimento. (Experimente; é uma ideia bem inteligente.)

O Chrome vem trazendo várias novas soluções criativas para os navegadores, pensando em interface ao usuário (consolidar a barra de endereços e de busca é tão óbvio agora), e eles são bons o bastante para que o Firefox pareça estar correndo atrás do prejuízo em muitas frentes, e alternando entre os dois, o Firefox pode começar a parecer desajeitado. Não quer dizer que o Firefox não esteja inovando: por exemplo, uma nova interface para gerenciar abas, chamada Firefox Panorama, é uma das funções futuras da versão 4. Mas a inovação no Firefox pode parecer banal (e lenta, veja o próximo ponto) quando comparado ao Chrome.

 

Atualizações frequentes e incrementais

Desde julho, o Chrome acelerou o ciclo de lançamentos, para que uma versão nova e estável do Chrome esteja disponível a cada seis semanas. O benefício para o usuário? Em vez de esperar por uma versão enorme que consolide toda uma lista de atualizações, novas funções vão parar no seu navegador logo que estejam prontas, algumas de cada vez. Na perspectiva do usuário, isso é ótimo. Seu navegador fica incrementalmente melhor, e em vez de ter que aprender a usar um monte de funções novas cada vez que há um grande lançamento, você pode se familiarizar com uma ou duas funções novas de cada vez.

Ou seja, você não precisa rodar a versão beta (ou dev) mais recente parra obter funções novas logo depois de serem desenvolvidas.

 

A experiência do usuário é tudo

De meses em meses, nós comparamos as versões mais recentes dos navegadores mais populares em uma série de testes de desempenho, e quase sempre o Chrome sai na frente. O Firefox vem melhorando bastante em questão de velocidade nos últimos anos, e apesar de usar menos memória que seus concorrentes na última rodada de testes, o Firefox tem um grande problema: quem usa a raposa acredita que o Firefox está ficando cada vez mais lento e mais inchado, e no fim a percepção do usuário é sempre mais importante do que todos os testes de velocidade do mundo.

Eu posso confirmar isto: quando eu uso o Chrome, ele é mais rápido para mim, e isso é o que importa. Eu atribuiria essa sensação a mais do que a interface (mas não ficaria surpreso se o design mais simplificado do Chrome estivesse alterando minha percepção também). No fim, o que eu quero é o navegador que me entregue páginas e informações de forma rápida e sem complicações. As extensões e outras firulas são coisa secundária: o navegador precisa ser rápido e útil antes que outras coisas passem a ser importantes. Para usuários que querem velocidade, funções e extensibilidade, o Chrome está atraindo muita gente que usava o Firefox.

 

Sincronização no navegador

Usuários experientes adoram coisas que sincronizam. Sincronização significa que você pode trabalhar de qualquer computador, e ter a mesma experiência básica em qualquer lugar. O Chrome começou a integrar a sincronização no navegador há cerca de um ano (um pouco depois do primeiro aniversário), e desde junho deste ano, ele conquistou a fronteira final desta função em navegadores: sincronizar extensões.

Sim, a Mozilla tem sua própria ferramenta de sincronização, o Weave, que eles querem integrar em versões futuras do Firefox, mas ele ainda não faz sincronização de extensões, e a notícia de que ele seria integrado veio sete meses depois que o Chrome ganhou sincronização integrada.

(Vale notar que uma nova extensão do Firefox, chamada Siphon, sincroniza extensões entre instalações do Firefox. E outras ferramentas de terceiros oferecem sincronização melhor que o Chrome ou Firefox – por exemplo, o Xmarks para favoritos e o LastPass para senhas – mas o Chrome ainda ganha por integrar a função no navegador sem deixá-lo pesado.)

 

Integração com serviços do Google

Se você é fã do Google, o Chrome tem muito a oferecer. Primeiro, ele sincroniza todos os dados do seu navegador (ver acima), e conecta tudo à sua conta do Google. Se você usa o Gmail, o Chrome foi o primeiro a ter suporte a enviar anexos via arrastar-e-soltar, assim como inserir imagens no corpo da mensagem e baixar anexos também usando o arrastar-e-soltar. Se você usa Android, o novo app mais extensão Chrome to Phone permite que você envie instantaneamente links do seu navegador para o aparelho com Android. O Android2Cloud (uma ferramenta não-oficial) envia os links do seu celular de volta para o computador.

Quando o Chrome OS for lançado em versão estável, você poderá sincronizar toda a sua experiência apenas se logando com sua conta do Google. Ele ainda não chegou lá, mas faz parte da direção que o Chrome está tomando.

 

Onde o Firefox ainda ganha

O Chrome com certeza não superou o Firefox em todos os aspectos. Pegue, por exemplo, as melhores e mais robustas extensões do Firefox.

  • Como um desenvolvedor para web, não encontrei nada no Chrome que se compare ao Firebug – se bem que o Firebug Lite for Chrome é um começo, e as Ferramentas do Desenvolvedor do Chrome são bem melhores do que as funções embutidas no Firefox – muito mais impressionantes do que eu me lembrava, inclusive.

  • Eu não bloqueio propagandas na web, mas pelo que ouço de usuários do Chrome, não há extensão do Chrome que se iguale ao AdBlock Plus para Firefox.

  • Se você baixa muitas coisas da web, não há melhor ferramenta para simplificar os downloads que o DownThemAll. Ele só está disponível no Firefox, não virá para o Chrome tão cedo e eu sinto falta dela sempre que baixo um arquivo grande no Chrome.

As preocupações com privacidade que perseguem o Google constantemente também devem ter um papel importante aqui. Se você for um grande fã do Google, o gigante das buscas já está vendo suas pesquisas, emails, chats, documentos e calendários. Para alguns, trocar o Chrome pelo Firefox é questão de não colocar muitos ovos na mesma cesta; e apesar do mantra "don’t be evil" do Google, eles às vezes podem ser maus, sim. E o Google prefere que você coloque todos os ovos em sua cesta: afinal, quanto mais informações suas eles têm, melhor funcionam os serviços deles.


Seus motivos para usar seu navegador podem variar bastante, mas se os leitores do Lifehacker e do Gizmodo Brasil indicam alguma tendência, é que o Chrome é – ou logo será – o novo navegador dominante entre usuários experientes.

Dá pra ver isso e achar triste. Eu fui um fã devoto do Firefox por anos, e ainda uso o Firefox como navegador padrão, então me senti meio chateado. Mas então você lembra que não importa quem está na frente hoje, a concorrência quase sempre beneficia o usuário. E é difícil reclamar disso.