Caro Lifehacker,

Estou considerando a compra de um MacBook Pro com um solid-state drive. Vale mesmo a pena gastar algumas centenas de dólares a mais por um?

Atenciosamente, 
Indeciso dos Drives

Caro Indeciso dos Drives,

Drives de estado sólido (SSDs) são um ótimo upgrade, mas têm seus lados ruins (principalmente o alto custo e baixas capacidades). A resposta para a sua pergunta é subjetiva, mas há alguns fatores que podem influenciar na sua decisão. 

O que é um SSD?

Discos rígidos tradicionais (os HDs) são compostos por um disco giratório e uma cabeça magnética móvel de leitura e escrita. Os discos de estado sólido, por outro lado, usam microchips para armazenar dados, da mesma forma que drives USB portáteis. Sendo assim, eles não têm partes móveis, são muito mais silenciosos, mais duráveis e mais rápidos que os HDs.

A velocidade é a sua maior vantagem. Por não haver uma cabeça de leitura/escrita móvel, a velocidade de acesso aos dados é muito maior; por não ser necessário girar os discos, os SSDs entram em ação muito mais rápido quando são chamados. Outra coisa: já que a localização física dos dados não é importante nos SSDs, a velocidade de leitura é consistente para qualquer tipo de dado, e fragmentação de disco não é um problema. Além disso, eles usam menos energia do que um disco rígido tradicional, portanto, em um notebook, eles fazem a bateria durar um pouco mais. Todas estas coisas fazem de um SSD um upgrade bem bacana, mas não dá pra dizer necessariamente que ele valha o preço para todo mundo.

Quem se beneficia mais de um SSD?

Por conseguirem acessar e ler dados muito rapidamente, você logo perceberá que as melhorias mais visíveis de um SSD são a inicialização mais rápida da máquina e dos programas. Sendo assim, eles são mais úteis para o tipo de pessoa que abre muitos programas, especialmente os pesados como o Adobe Photoshop. Adicionalmente, se você costuma ter que reiniciar o computador com frequência (talvez porque use dual-boot), o ganho de agilidade deste processo pode ser importante. Você passa menos tempo esperando o computador reiniciar e ganha mais tempo para se dedicar ao que precisa estar fazendo. 

Considere tamanho e preço

Perceba que, apesar destas serem as características que podem ditar se você vai ou não se beneficiar de um SSD, há outras coisas a considerar. As principais são a capacidade e o custo deles. Meu SSD de 80GB custou duzentos dólares, e se você precisa de muito espaço para músicas ou outros tipos de arquivos, vai pagar mais ainda. Uma configuração bacana é colocar o seu sistema operacional e os programas em um SSD não necessariamente tão grande, mas ainda assim ter um disco rígido secundário e maior para os seus arquivos. Isso é fácil de se fazer em um desktop, mas dá trabalho em um laptop, já que a maioria deles só tem uma baia para disco rígido. Não é impossível, mas se você não se sente confortável abrindo e fuçando na sua máquina, terá que pensar bem se apenas um SSD será grande o bastante para os seus dados (ou se está preparado para gastar os dois olhos da cara e mais um à sua escolha em um SSD realmente espaçoso). 

Estas são as coisas mais importantes de se pensar. Pessoalmente, eu peguei um SSD no início do ano, e foi um dos melhores upgrades que eu já fiz no meu computador, porque eu rodo um monte de clientes nativos em vez dos web apps que muitos usam atualmente (exemplos: eu vejo meu email no Postbox em vez de acessar o GMail, e ouço músicas no iTunes em vez de usar o Grooveshark). Eu também reinicio o meu computador com frequência, e abro cerca de 10 programas na inicialização, então os 5 a 10 segundos que este processo demora agora são uma enorme melhoria em relação ao um minuto que demorava antes. Meu irmão, por outro lado, faz quase tudo com web apps, quase sempre rodando apenas o Chrome e o iTunes (e deixa o computador ligado por uma semana ou mais sem desligar ou reiniciar). Logo, um SSD para ele provavelmente seria dinheiro jogado fora. Tudo depende de como você trabalha. 

Se você acabar pegando um, não deixe de ler como instalá-lo no seu laptop como um segundo drive e como aproveitar seu SSD ao máximo

Abraços,
Lifehacker