A empresa de micromobilidade Lime anunciou sua chegada oficial ao Brasil nesta terça-feira (2) em um evento em São Paulo. Na quinta-feira (4), a companhia realizará o lançamento no Rio de Janeiro. Mas, como a Lime pretende se consolidar em um mercado já dominado pela fusão entre Yellow e Grin, e em um momento conturbado em que se discute a regulamentação dessa modalidade de transporte?

O preço para utilizar os patinetes da Lime está na média do mercado: R$ 3,00 iniciais + R$ 0,50 por minuto. O freio fica na frente, similar ao de uma bicicleta, e o acelerador fica na outra mão, tornando o uso mais fácil e intuitivo. Além disso, não há como negar que os patinetes, com o verde-limão característico da marca, têm um design muito bonito. Comparados aos de seus concorrentes, os equipamentos da Lime parecem ligeiramente maiores e mais resistentes. Segundo a empresa, os veículos são fabricados pela própria Lime.



Disponível para Android e iOS, a Lime possui integração com o Google Maps, sendo possível visualizar a estimativa de tempo e valor pelo app. A companhia ainda afirma que vai compartilhar dados coletados de suas operações com as prefeituras com o objetivo de contribuir com o planejamento urbano.

Falando sobre a questão da regulamentação dos patinetes que vem sido amplamente discutida, Joe Kraus, presidente global da Lime, diz que a empresa está ciente dessas preocupações. Em conversa com o governo de São Paulo desde dezembro de 2018, a Lime chega no Brasil já preparada para responder a alguns requisitos e contestações feitas pela Prefeitura paulistana.

Por meio da parceria com o Grupo Pão de Açúcar (GPA), por exemplo, serão disponibilizados espaços para estacionar os patinetes em lojas Pão de Açúcar, Extra e Minuto Pão de Açúcar. A iniciativa pode contribuir para diminuir a quantidade de equipamentos espalhados pela cidade, que muitas vezes acabam gerando revolta entre pedestres.

Já em relação à segurança, a Lime vai implementar diferentes medidas já adotadas globalmente. No aplicativo, os usuários receberão testes e quizzes sobre segurança, além dos avisos padrão de limite de velocidade e uso de capacete. Para ampliar o número de pessoas atingidas, a empresa tem uma parceria com a WeWork, oferecendo assim treinamentos para funcionários de diversas companhias. A meta é treinar mais de 4 mil usuários nos próximos três meses.

Outra iniciativa interessante é a First Ride Academy, uma série de treinamentos oferecidos aos finais de semana pela Lime sobre como dirigir o patinete de forma segura e responsável. O primeiro a acontecer em São Paulo está marcado para o próximo sábado (6).

A Lime ainda vai promover campanhas nas ruas de São Paulo e Rio de Janeiro para conscientizar e educar não apenas usuários, mas também motoristas de carros e pedestres sobre a convivência harmônica no trânsito.

Outro benefício que a Lime afirma trazer para as cidades é contribui para economia local com os “Juicers”, parceiros autônomos responsáveis pela coleta, carga e devolução dos equipamentos.

Inicialmente, os patinetes da Lime estarão disponíveis em Pinheiros, Vila Olímpia, Itaim, Brooklin e Vila Nova Conceição, em São Paulo. No Rio de Janeiro, os equipamentos serão disponibilizados a partir de quinta-feira (4) em praias da zona sul, no trecho Leme-Gávea, incluindo todo o Leblon, Copacabana e Ipanema.

Na segunda-feira (1), a Uber anunciou que passaria a mostrar a localização de patinetes da Lime em seu aplicativo nas cidades de Atlanta e San Diego, nos Estados Unidos. Durante o evento desta terça-feira em São Paulo, a empresa informou que já está discutindo possibilidades de expansão com a Uber, investidora da Lime, mas ainda não há nenhuma previsão de quando o recurso será disponibilizado por aqui.