Malwares são uma droga. No melhor dos casos, eles enchem o seu sistema com arquivos indesejados e ocasionalmente dão sinais de que estão lá na forma de janelas pop-up persistentes ou de uma toolbar irritante. No pior dos casos, os malwares dominam completamente o seu desktop ou laptop e arruínam a sua vida.

Seu sistema começa a se arrastar. Você nem mesmo consegue reiniciar o seu Windows no tempo de ir até a cozinha e voltar. Seus dados são enviados para algum lugar distante na terra da Internet ou, pior ainda, as teclas que você pressiona são gravadas e observadas por algum indivíduo desprezível. O malware bloqueia o seu browser, deixando você incapaz de acessar qualquer coisa sem ser redirecionado para algum endereço falso. Você mal consegue rodar um programa no Windows sem ser bombardeado por propagandas falsas, programas, e pessoas dançando no seu desktop.

Nós não podemos deixar isso continuar.

Então o que um entusiasta de computadores pode fazer? Passo zero: Leia este guia, porque nós iremos dar o passo-a-passo através de todos os detalhes chave que você precisa saber para livrar o seu computador desse lixo e mantê-lo livre desse tipo de problema.

 

Passo um: A prevenção

Como assim? Que guia é esse? Nenhum arquivo para baixar ou software para arrancar malware do seu sistema? Exatamente. A coisa mais importante para perceber na guerra contra os malwares é que você, e só você, é a primeira linha de defesa. Você só poderá culpar a si mesmo se o seu computador estiver completamente atolado de programas causadores de problemas preveníveis.

Muitos dos malwares mais irritantes que você pode encontrar acidentalmente requerem a sua autorização para conseguir entrar no seu sistema em primeiro lugar. Você tem que fazer download e executar um arquivo desconhecido ou concordar em colocar uma toolbar no seu sistema como parte da rotina de instalação de um software. Você tem que aceitar alguns tipos de Javascript ou ser enganado por websites falsos que alegam estar rodando uma verificação contra vírus no seu sistema (apenas citando um exemplo).

Em suma, você tem que baixar a guarda.

Então, como se proteger contra seus próprios hábitos? Use três regras simples: Se é bom demais para ser verdade, se parece estranho, ou se é completamente desconhecido, não rode. Não instale. Não aceite, não clique em “sim”, e não permita que ele chegue perto do seu sistema. Google, ou Bing, ou Yahoo são seus amigos: Encontre mais informações sobre uma dada situação ou software antes de concordar que ele faça qualquer coisa no seu sistema. Não navegue cegamente na internet acreditando que tudo que está em websites é seguro para o seu sistema.

 

Passo Dois: Segurança no Navegador

Nós mencionamos que muitos dos malwares podem vir através do seu browser – isso é uma pena, nós sabemos. Vulnerabilidades em browsers e plug-ins (e erros do usuário) podem derrubar o seu sistema muito rápido. Então vamos começar com o passo mais simples: Pare de usar um navegador ultrapassado e sem segurança. Assegure-se de esta usar pelo menos a última versão dos três maiores: Internet Explorer, Firefox ou Chrome.

Mas qual? Várias pesquisas apontam cada um desses três navegadores como o “melhor da categoria” contra malwares e outros ataques. Nossa preferência pessoal é pelo Google Chrome por dois motivos: Um, é o único navegador a usar sandboxes como seu mecanismo de defesa primário, o que combina uma máquina virtual Javascript e uma sandbox para prevenir ataques bem sucedidos contra o mecanismo de renderização do navegador e afetar os sistemas de arquivo do usuário. Em outras palavras, o Chrome roda páginas em quarentena, seguras. Segundo, o Chrome tem, sem dúvida, sido o mais resistente sobrevivente do concurso de hacking Pwn2Own na conferência de segurança CanSecWest: Isso sim é verificação real de capacidade de segurança, hein?

Mas nós estamos apenas começando. Vulnerabilidades de Javascript – incluindo ataques óbvios que dependem da cooperação do usuário para funcionar – podem facilmente afetar seu navegador também. Se você usa o Firefox, peque uma extensão chamada de NoScript, que irá permitir desligar os elementos de plugin das páginas por padrão (incluindo Javascript e Flash!) a menos que você confie o suficiente no site para dar permissão. O Chrome não tem um add-on para a mesma função, mas você pode desabilitar Javascript por padrão na parte de “Configurações Avançadas” das opções. E se você quiser permitir especificamente o Javascript de um site para que ele funcione, apenas clique no ícone “x” da barra de endereço do navegador para configurar permissões específicas para aquele site. Ou, se você não se importar de usar uma leve variação, você pode tentar imitar os controles do “NoScript” usando o add-on “NoScripts”.

Outras extensões e add-nos que valem a pena usar na luta contra os malwares incluem: Web of Trust, KB SSL Enforcer, Adblock, e HTTPS Everywhere.

 

Passo três: Softwares de Segurança

Rodar uma configuração perfeita no navegador é apenas uma linha de defesa na batalha contra o malware: Lembre-se, você é o seu pior inimigo. Levando em consideração que o malware pode passar por alguma brecha em algum momento, quais são os softwares gratuitos que você pode usar para equipar o seu sistema com proteção poderosa antes que esses apps sorrateiros fiquem fora de controle?

Primeiramente, você irá querer um scanner compreensivo rodando todos os dias para ter certeza que cada pedacinho de software que você coloque no seu computador seja verificado rapidamente. Para isso, nós ligamos o próprio Windows Security Essentials da Microsoft. Nossos motivos são simples: É grátis e funciona.

Instale o Windows Security Essentials e você terá acesso instantâneo às atualizações frequentes contra vírus e spyware da Microsoft além de um mecanismo de verificação em tempo real que protege o seu sistema contra qualquer coisa que você baixe da internet (ou, se você quiser, qualquer dispositivo USB no momento que ele é inserido no seu sistema). Ele programa verificações para rodar à noite por padrão, mas sinta-se livre para reagendá-las para um horário que você sabe que o seu PC estará ligado. Opções adicionais permitem que você configure os parâmetros exatos para quando a verificação deve começar, que incluem a habilidade de restingir buscas por vírus e malwares para períodos quando o uso da CPU está abaixo de um certo ponto.

Infelizmente, alguns dos melhores apps anti-malware do mercado são grátis com um asterisco: Nós estamos falando, é claro, do SuperAntispyware e o Anti-Malware da Malwarebytes. Nós somos fãs do que o Malwarebytes oferece, principalmente devido à versão freeware de seu poderoso app anti-spyware dar algumas funções à mais do que o a do SuperAntispyware. O problema com ambas? Não tem proteção em tempo real, então lembre-se de rodar esses apps diariamente ou pelo menos semanalmente.

Se você quiser ser realmente hardcore, pegue o ComboFix também. Este app – muitas vezes considerado a opção para “tirar de órbita” alguns malwares abomináveis – usa o Windows Recovery Console para encontrar e eliminar malwares irritantes. Ele não serve como linha de defesa para o seu sistema, mas é uma ótima ferramenta para ter como plano B quando o desastre acontece.

 

Passo 4: Recuperação de desastres

Você já está infectado. Que droga. Malwares vêm em diferentes formas e níveis de chatice, dependendo de quanto esse software malicioso se enrolou no seu sistema operacional. Isso torna difícil para nós para sugerir um reparo perfeito que funcione em todas as situações. Entretanto, nos podemos ao menos dar a você algumas sugestões úteis para livrar seu PC dos travamentos de malware.

Primeiramente, veja se uma simples verificação com o Windows Security Essentials consegue parar o problema – provavelmente não, mas não dói tentar a solução mais simples antes de começar a arregaçar as mangas. Atualize as suas definições e selecione a opção de verificação completa, e então sente e torça para que o scan da Microsoft resolva o seu problema.

Nada feito? O próximo da lista é o Anti-Malware da Malwarebytes, verifique que as suas definições de vírus estão atualizadas, e execute uma verificação completa no seu sistema. Se ele identificar um problema, ótimo; se não, e se o seu problema com malware persistir, está na hora de ser um pouco mais criativo. Instale o utilitário RKill e use-o para tentar e parar à força quaisquer processos de malware que estejam rodando em segundo plano no seu sistema. Faça uma verificação completa com o Anti-Malware da Malwarebytes mais uma vez.

Se você ainda não tiver sucesso nessas tentativas, você irá reiniciar o seu sistema em modo de segurança (spoiler: mantenha apertado o F8 quando a bios estiver carregando até que apareça a opção para “modo de segurança”.) E repita os mesmos passos do RKill/Malwarebytes que você fez antes. Você estará fazendo isso na tentativa de desvencilhar qualquer malware que esteja afetando o seu pc do sistema operacional em si: Ele não está sendo deletado porque ainda está ativo (e provavelmente protegendo-se de suas ferramentas de remoção).

Ainda com problemas? Use o ComboFix e deixe a ferramenta de verificação e remoção fazer sua mágica – se, por algum motivo, ele não conseguir remover o que quer que esteja afetando o seu sistema, você irá receber um log extenso que você pode postar em um dos fóruns associados do ComboFix para procurar por mais ajuda de algum dos caras qualificados para analisar o log. Se chegar nesse ponto, pode valer a pena testar dar uma olhada em outras ferramentas de verificação que não foram mencionadas explicitamente nesse artigo, que vão do Spybot Search & Destroy, passando pelo McAfee AVERT Stinger, GMER, Sophos Anti-Rootkit…e a lista continua. E você provavelmente pode tirar proveito de pegar alguns Live CDs para remoção de vírus e malware, como o Rescue CD da AVG e o BootCD da Hiren.

Como nós dissemos anteriormente, existem quase tantas ferramentas para remover malware quanto há malwares para infectar você. Quanto mais você aumentar as linhas de defesa do seu PC, incluindo treinar a si mesmo para reconhecer malware em potencial quando ele aparecer e mantê-lo longe do seu sistema, menos você terá que lidar com técnicas de remoção potencialmente complicadas depois.

Mas se você tiver que ir por esse caminho, e simples verificações não resolvem o problema, não se esqueça de tentar tirar processos de malware ativos do seu sistema ao reiniciar o PC no modo de segurança. Depois disso, exorcizar esses softwares demoníacos do seu sistema  depende da sua tenacidade, da sua habilidade de pesquisar em mecanismos de busca, e o seu conhecimento de apps de remoção third-party: Ou, no pior dos casos, com que frequência você faz backup. Você sabe, uma formatação está a apenas alguns cliques de distância!

 

Maximum PC traz à você as últimas notícias sobre PC, reviews e tutoriais.