A primeira edição do livro Princípios Matemáticos da Filosofia Natural (em latim: Philosophiae naturalis principia mathematica) de Isaac Newton foi vendido por US$ 3,7 milhões – cerca de R$ 12,5 milhões, na cotação atual – na Christie’s nesta quarta-feira (14), se tornando o livro científico impresso mais caro já vendido em um leilão.

• Isaac Newton tentou criar o seu próprio idioma
• Uma das câmeras Nikon mais antigas do mundo foi vendida por US$ 406 mil num leilão

Albert Einstein descreveu o trabalho seminal de Newton realizado em 1687 como “possivelmente o maior passo intelectual que um homem já pode dar”.

Encadernado em pele de cabra, essa é a primeira das 80 edições de Principia Mathematica que foram impressas na Europa. O comprador anônimo o adquiriu por três vezes o valor que a Christie’s esperava. Nas últimas cinco décadas, apenas uma outra cópia de Principia Mathematica encapada em pele de animal foi leiloada – uma versão de couro feita para o rei Jaime II de Inglaterra, vendido na Christie’s por US$ 2,5 milhões em dezembro de 2013.

Keith Moore, diretora da biblioteca Royal Society em Londres, disse que o Principia Mathematica “não é apenas a história e o desenvolvimento da ciência, mas um dos melhores livros já publicados. Foi extremamente influente em termos de aplicação da matemática a problemas básicos da física”.

Em Principia Mathematica, Newton expõe a lei da gravitação universal e suas três leis de movimento, que ainda são usadas no estudo da física:

– Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha reta, a menos que seja forçado a mudar aquele estado por forças aplicadas sobre ele.

– A mudança de movimento é proporcional à força motora imprimida, e é produzida na direção de linha reta na qual aquela força é aplicada.

– A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade: as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos.

O livro leiloado tem 23,7 centímetros por 18,6 centímetros e 252 páginas – algumas delas com xilogravuras.

[The Guardian, Live Science]

Imagem: Wikimedia Commons.