A pandemia do novo coronavírus ainda está em uma crescente no Brasil, aparentemente se aproximando do pico. A situação em alguns estados é grave, com a ocupação de quase todos os leitos de terapia intensiva. Somando isso a baixas taxas de isolamento voluntário, algumas regiões podem adotar medidas mais severas, como o chamado lockdown, que foi decretado no Maranhão. Mas qual é a diferença entre o lockdown, a quarentena e o distanciamento social?

Lockdown

O lockdown (confinamento, na tradução livre do inglês) é a medida mais severa para a pandemia, trata-se de um bloqueio total determinado por lei ou decisão judicial e que usa a força do estado. Quando se institui o lockdown, há interrupção de deslocamento e a manutenção somente de atividades entendidas como essenciais, como a segurança pública, a saúde e coleta de lixo.

Todas as entradas de um perímetro determinado (cidade, estado ou país) são bloqueadas por profissionais de segurança e ninguém tem permissão de entrar ou sair.

Essa é uma das “medidas não farmacológicas” recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e é adotada quando o sistema de saúde está ameaçado.

No Maranhão, onde o lockdown passará a valer a partir de 5 de maio e irá durar 10 dias, todas as atividades comerciais não essenciais serão suspensas. Há uma série de regras para a circulação, como a comprovação de necessidade.

Será obrigatório o uso de máscaras em locais públicos e de uso coletivo, entrada de veículos em São Luís também estará proibida, entre outras regras.

O Ministério da Saúde afirma que o lockdown é eficaz para redução da curva de casos e dar tempo para reorganização do sistema em situação de aceleração descontrolada de casos e óbitos. “Os países que implementaram, conseguiram sair mais rápido do momento mais crítico”, diz a página.

A cidade de Wuhan, na China, onde se iniciou o surto de COVID-19, foi realizado o fechamento total, por exemplo. Por lá, o lockdown ajudou a desacelerar o surto.

Distanciamento social

O isolamento social foi a medida recomendada na maioria dos estados brasileiros, especificamente o distanciamento social ampliado. A estratégia busca restringir ao máximo o contato entre pessoas, sem se limitar a grupos específicos.

Esse tipo de medida inclui o encerramento temporário de algumas atividades, como aulas e eventos – a recomendação é realizar o fechamento parcial ou completo de locais que causem aglomerações como escolas, comércios, templos religiosos, academias, parques públicos e entre outros. Nesses casos, os governos recomendam que as pessoas fiquem em casa e saiam apenas em casos de necessidade.

O objetivo é conter a propagação do vírus e, principalmente, achatar a curva – permitindo que o sistema de saúde dê conta de atender todos os pacientes.

Boa parte das grandes cidades, no entanto, teve uma taxa de adesão ao distanciamento social próxima dos 50%, abaixo dos 70% recomendado pelas autoridades de saúde. Em São Paulo, por exemplo, o isolamento social é medido pelo Sistema de Monitoramento Inteligente (Simi), que acompanha 104 municípios com mais de 70 mil habitantes por meio de sinal de aparelhos celulares.

Há ainda o chamado “distanciamento social seletivo”, no qual apenas alguns grupos ficam isolados – aqueles que apresentam mais riscos de desenvolver a doença ou de apresentar um quadro mais grave. Esse tipo de medida, porém, não protege grupos vulneráveis, que continuam a ter pessoas infectadas assintomáticas ou sintomáticas (filhos ou netos que moram junto, por exemplo).

Quarentena

A quarentena é uma das maneiras de isolamento social, só que específico para determinado público.

A prática da quarentena é obrigatória para as pessoas que têm suspeita de COVID-19 ou que tiveram contato com alguém infectado. Porém, de forma mais ampla, a quarentena é um ato administrativo, estabelecido pelas secretarias de Saúde dos estados e municípios ou do ministro da Saúde e que tem tem como objetivo garantir a manutenção dos serviços de saúde. Não costuma ter força da lei para as pessoas que não a cumprem. No entanto, o seu descumprimento indiscriminado pode fazer com que as autoridades locais instaurem um lockdown.