A Apple apresentou nesta terça-feira o M1, primeiro chip da sua transição para o uso de processadores próprios. E, junto com ele, três novos computadores da linha Mac foram lançados: um MacBook Air de 13 polegadas, um MacBook Pro também de 13 polegadas e um Mac mini. Os preços começam em R$ 8.700 (Mac mini) e chegam a R$ 23.800 (MacBook Pro intermediário).

Os dois notebooks eram, de certa forma, esperados — rumores das últimas semanas diziam que poderiam ser dois ou três modelos. Já o Mac mini era menos falado. A seguir, detalhamos os três modelos.

MacBook Air com M1

Como era de se esperar, o MacBook Air ganhou o novo chip M1. Sendo o laptop mais barato da linha Mac, faz todo o sentido que ele tenha um chip baseado na arquitetura ARM, famosa por dar uma duração de bateria maior aos smartphones.

Graças ao novo processador, o MacBook air conseguiu dispensar a ventoinha. A bateria também promete durar bastante: 15 horas de navegação na web, 18 horas de reprodução de vídeo e até o dobro do tempo em ligações de vídeo.

A promessa também é de bom desempenho: a Apple fala que ele é 3,5 vezes mais rápido, tem performance de gráficos 5 vezes melhor que a do modelo anterior e oferece o dobro de velocidade no SSD.

Comparado aos concorrentes, a Apple promete que ele é três vezes mais rápido que um laptop Windows de topo de linha e oferece desempenho melhor que 98% dos notebooks concorrentes vendidos no ano passado. Falar é fácil: é preciso ver como isso tudo se dá na prática.

Em relação ao design e ao restante do hardware, o MacBook Air continua bem parecido com o modelo do ano anterior. A tela Retina tem 13,3 polegadas, ele oferece duas portas USB-C e tem um teclado com mecanismo de tesoura. Além da ausência da ventoinha, a câmera também ganhou um upgrade e promete imagens menos granuladas.

Nos EUA, os preços do MacBook Air com M1 começam em US$ 1.000. Por aqui, o modelo mais barato sai por R$ 13.000, enquanto o mais caro custa R$ 16.100.

MacBook Pro com M1

Outro notebook a ganhar o chip M1 da Apple foi o MacBook Pro. Ele também promete desempenho de topo com a nova arquitetura: a empresa afirma que ele é 3 vezes mais rápido que um laptop Windows comparável e 2,8 vezes mais veloz que o modelo anterior (sem especificar se está falando do processador Intel de oitava ou décima geração).

As melhorias também devem estar presentes na GPU integrada (cinco vezes mais rápida) e no processamento de machine learning (11 vezes mais rápido). A Apple também diz que a bateria dura o dobro do MacBook Pro anterior, com 17 horas de navegação na web e 20 horas de reprodução de vídeo. Tudo isso, claro, precisa ser testado.

Em outros componentes de hardware, o MacBook Pro ganhou um microfone com qualidade de estúdio e uma câmera melhorada, que, junto com o chip M1, devem dar um bom upgrade nas suas chamadas de vídeo. O notebook também conta com uma Touch Bar, Touch ID e duas portas Thunderbolt com suporte a USB 4. O MacBook Pro é tão potente que você pode até mesmo conectá-lo ao Pro Display XDR de resolução 6K do Mac Pro.

Nos EUA, o MacBook Pro custa US$ 1.300. Aqui, os preços começam em R$ 17.300, pelo modelo de entrada, e chegam em R$ 19.800, pelo modelo intermediário. Ainda há dois modelos do MacBook Pro de 13 polegadas sendo vendidos com processador Intel.

Mac mini

Dos computadores apresentados hoje pela Apple, o Mac mini era o menos esperado — falava-se muito mais nos MacBooks nas últimas semanas. Mesmo assim, o desktop pequenininho ganhou o novo chip também.

Nas promessas da Apple, temos as afirmações de que ele é cinco vezes mais rápido que o desktop mais vendido e oferece uma performance de machine learning 15 vezes melhor. Em relação ao Mac mini anterior, que ainda vinha com processador Intel de oitava geração e quatro núcleos, ele dobrou a velocidade. A empresa também diz que a ventoinha foi redesenhada para que o computador pudesse sustentar o desempenho por mais tempo.

Em portas, ele tem um cardápio bem mais interessante que o dos laptops da Apple: Ethernet, duas Thunderbolt/USB 4, duas USB-A, entrada para fone de ouvido e uma HDMI 2.0, que oferece suporte a monitores 4K a até 60 frames por segundo.

Nos EUA, o Mac mini surpreendeu pelo preço baixo, custando a partir de US$ 700. Aqui, ele não é nada em conta: o modelo de entrada sai por R$ 8.700, enquanto o intermediário custa R$ 11.200. A versão de topo de linha continua sendo vendida com processador Intel.

Novos preços para toda a linha Mac

Como bem notou o MacMagazine, a Apple aproveitou o lançamento de seus novos computadores no Brasil para reajustar os preços de quase toda sua linha Mac no País. Em alguns casos, os aumentos passaram dos 29%. Esse mesmo movimento já tinha acontecido com a linha iPhone e é, em grande parte, reflexo da alta do dólar durante 2020.

Os novos Macs já tiveram seus preços anunciados no Brasil, mas ainda não há informações sobre a data de chegada por aqui.