Tem um pessoal esquisito que gosta de usar roupa limpa. Eu acho estranho, e até toparia fazer mais isso se o processo de lavar roupa não fosse tão chato, por mais que o ursinho do Fofo faça parecer que seja goxtoso. A solução, que está sendo trazida agora para o Brasil por uma empresária mineira: lavar roupa colocando no freezer. 

Jandira Barone, da Tristar, foi a um evento alemão sobre sustentabilidade e achou um tecido que pode ser lavado assim: ao ser colocado em uma sacolinha com vedação, em um freezer, por um período de 12 horas, a baixa temperatura é suficiente para matar as bactérias e tirar o cheiro de uso. 

Então ela não é lavada, Jandira? Disse a moça à IstoÉ Dinheiro:

"Se algo respingar na peça, o resfriamento fará com que a mancha seja incorporada ao modelo, tornando-o mais pessoal ainda. “Os consumidores não compram calças puídas, detonadas, manchadas? O conceito é o mesmo, só que será um detalhe produzido pelo próprio usuário”, diz. Mas se o líquido derramado na roupa for, por exemplo, graxa ou gordura e a pessoa quiser lavar, não há nenhum problema em usar água e sabão. A diferença é que a lavagem muda um pouco o formato da peça, característica que o congelamento mantém."

Vou usar isso da próxima vez que alguém reclamar de manchas na minha roupa: "É personalização". As peças custarão R$ 300 e serão distribuídas para algumas marcas famosas. É o preço da sustentabilidade. [IstoÉ Dinheiro. Foto Daniela Dacorso. Valeu, Gustavo!]