Náo há como saber. Depende de quem a Dell e a Claro estão mirando como público-alvo. Pelo que conversei com os executivos da Dell, a ideia é que os aplicativos sejam baixados ou diretamente dos desenvolvedores (como acontece em boa parte dos programas para Symbian hoje) ou, mais provável, pelas operadoras. Numa coletiva recente, uma executiva da Claro afirmou que as operadoras precisam achar alguma nova fonte de dinheiro. Cobrar pelo serviço de aplicativos é uma saída – endossada pela Dell. E ruim para mim e para você.

Se falta a possibilidade de customização, deixando o sistema meio manco, sobram aplicativos de fábrica. Todos arranjados lado a lado em telas diferentes, como se fosse o iPhone. O Henrique do Zumo tirou uma foto com 3 telas mostrando os ícones que aparecem, de fábrica:

Viu o tanto de botão vermelho da Claro? Pois é – todos eles estão no Dext, mas um pouco escondidos. Aqui, dá pra ver que o Dell Mini 3i está bem mais para Claro Phone do que para Google Phone. Por escolha de Dell e Claro, todos os aplicativos do Google foram removidos. Não dá muito para entender.

O aparelho, em si, é… Diferente. Por um lado a tela é grande (3,5”, contra 3,2” do Galaxy e 3,1” do Dext) e bastante responsiva e o aparelho é leve e finíssimo. Mas não há nenhum botão na face (e vários nas laterais), deixando a navegação um pouco mais prejudicada. Pode ser questão de costume, não sei.

No fim das contas, temos um smartphone fino e leve com tudo que você precisa de fábrica, mas sem toda a customizacão que eu – e muitos de vocês, suponho – gostam tanto. Gastarei mais um tempo com ele em breve para ver se a troca faz sentido e funciona. Por ora, pela primeira impressão, diria que ele ainda não consegue brigar com Dext e Galaxy. Se bem que o preço ainda não foi revelado – e isso pode mudar tudo. Quando soubermos mais e tivermos mais tempo com ele, vocês saberão. [Muito mais fotos no Zumo]