O Dell Studio XPS 13 é um notebook potente, com bom acabamento e uma interessante solução gráfica, mas que esquenta demais e deixa a desejar na duração da bateria. Pelo preço, acho que a compra não compensa, mas quando o assunto é gadget, costumo ser pão duro, chato e conservador (só para ajudá-los a entender melhor as minhas posições). Então leia este review e tente tirar as suas próprias conclusões.

 
Ousado

O visual distinto do Dell Studio XPS 13 pode tanto ser um atrativo a mais quanto um “deal breaker”, um motivo que por si só faz com que você desista da compra. Afinal, quando o assunto é notebook de até uns R$ 2.000, topamos fazer uma concessão ou outra, se o resto da máquina compensar – por exemplo, podemos relevar detalhes visuais que nos desagradem, caso as especificações técnicas do laptop sejam muito boas. Quando se fala de um computador de no mínimo R$ 5.000, porém, somos mais inflexíveis – pois, se vou gastar tanta grana, que seja em um notebook que me agrade totalmente.


Esse é o risco que uma empresa corre ao optar por um visual mais diferenciado – algumas pessoas são capazes de não comprar o notebook exatamente por causa da aparência. Parece ser o caso da Dell com o Studio XPS 13. Aí, cabe o gosto de cada um. Eu particularmente não gosto dessa mistura de material brilhante (glossy) com detalhes em alumínio e uma faixa de couro – pareceu-me um pouco mal resolvida, algo extravagante, inconsistente… Mas às vezes sou meio conservador com essas coisas (gosto muito do design tradicional dos ThinkPads, por exemplo).

Fora a questão estética, a qualidade do acabamento é boa. O equipamento parece bem resistente, talvez com exceção da tampa (as “costas” da tela) – área comumente frágil em notebooks. Com cerca de 2,2 kg, não é muito pesado, nem muito leve. O drive óptico é do tipo slot-loading – você simplesmente o enfia o disco, como em sistemas de som automotivos.

 
Conexões

Ele apresenta uma boa variedade de portas: USB, USB/eSata, FireWire, HDMI, DisplayPort, VGA, saída e entrada de áudio, Ethernet (RJ45), leitor de cartões 8 em 1 e ExpressCard. O mais curioso: há três conectores de áudio (duas saídas e uma entrada) e três de vídeo, mas apenas duas portas USB – e uma delas dividida com o eSata.


Quer dizer, se o cara conecta um mouse em uma porta e flash drive em outra, acabaram as portas. A solução seria usar um hub. De qualquer maneira, considero praticamente inaceitável que um notebook high-end, com esse preço, tenha apenas duas portas USB. O bizarro fato de haver mais saídas de vídeo do que conexões USB – ou isso é algo mais comum do que imagino? – só faz aumentar a minha sensação de que o design é meio inconsistente, incoerente.

 
Bom teclado

O teclado, por sua vez, parece bem planejado, ocupando praticamente toda a superfície do notebook de um lado a outro. As teclas são firmes e silenciosas em boa medida, oferecendo uma digitação confortável. Só incomodam um pouco o posicionamento da tecla “/” (na última linha, ao lado do AltGr) e o tamanho reduzido da tecla Shift à esquerda (várias vezes, ao tentar usá-la, acabei acertando a barra invertida “”) – comprometimentos causados, imagino, pelo layout ABNT (do qual não sou muito fã, mas provavelmente sou minoria aqui). Com boa sensibilidade, o touchpad também agrada, mas é pequeno demais. O backlight – com dois níveis de iluminação – é útil para quem costuma usar o PC no escuro.


A webcam (de 2 megapixels com tela de LCD normal ou 1,3 megapixel com tela de LCD de LED) tem imagens e sons razoáveis, nada que fuja muito do padrão de qualidade comum a esse acessório. O sistema vem com reconhecimento facial, que funciona bem se ele estiver de bom humor – ou seja, falha às vezes. Prefiro mil vezes um leitor de impressões digitais, recurso que infelizmente o Studio XPS 13 não oferece.

Também não muito diferente do que se encontra por aí é o som, que sai de alto-falantes medíocres com baixos quase inexistentes.

 
Brilhantina

A tela de 13,3 polegadas tem boa abertura, resolução de 1.280 × 800 e pode vir com backlight de LED – o que adiciona R$ 436 ao preço final. A qualidade da imagem é razoável – cor e nível de contraste são aceitáveis –, e os ângulos de visão são melhores do que os encontrados em muitos laptops. As fotos abaixo (tela com backlight de LED) mostram como as cores e o contraste são alterados com o deslocamento do ponto de vista, mas também como a imagem da tela continua ao menos visível.





A superfície brilhante (glossy) da tela me incomoda bastante, mas essa é outra questão bem pessoal – sou facilmente atrapalhado pelos reflexos dela, mas muita gente gosta de seu característico efeito “pop”. O que me irrita mesmo é a falta de escolhas – seria ótimo se o cliente pudesse optar entre acabamento brilhante ou fosco (matte), mas as empresas insistem em oferecer apenas uma alternativa na maioria dos aparelhos – geralmente a brilhante. É uma pena. No meu caso, por exemplo, uma tela glossy costuma ser um deal breaker, e muitos com certeza pensam igual, afinal, não é uma característica que pode ser ignorada – nossos olhos ficam praticamente grudados no monitor enquanto usamos o PC. O preço alto só potencializa o fator deal breaker.

 
Potente

Uma das grandes atrações do Studio XPS 13 é a sua solução gráfica, a Nvidia GeForce 9500M GE, que na verdade é o conjunto formado por uma 9400M G e uma 9200M GS. É possível utilizar apenas a placa integrada (9200M GS), para economizar no consumo de energia, ou as duas junto (em Hybrid SLI), para alcançar uma melhor performance gráfica. Para mudar do modo econômico para o Hybrid SLI e vice-versa, é só trocar o plano de energia do Windows – não é necessário reiniciar o computador.


Para quem curte números, o software de benchmark 3DMark06 registrou uma média de 3.523 pontos em Hybrid SLI e 2.106 no modo econômico. Tentei usar o 3DMark Vantage, mas ele tem um estúpido requerimento mínimo de 1.280 × 1.024 pixels, resolução impossível para o Studio XPS 13.

Usei também o Cinebench R10, mas acho que preciso estudar os resultados melhor, veja por quê. Hybrid SLI: 2.224 (OpenGL Standard), 2.904 (Single CPU Render), 5.502 (Multiple CPU Render). Econômico: 2.548 (OpenGL Standard), 1.929 (Single CPU Render), 3.680 (Multiple CPU Render). Notou? No teste OpenGL Standard , a 9200M GS foi melhor sozinha do que junto com a 9400M G. Estranho.

Além disso, tentei comparar a pontuação do PCMark Vantage nos dois modos gráficos, mas o programa simplesmente deu pau em todas as tentativas que fiz usando apenas a 9200M G. Todas. Muito estranho. De qualquer maneira, a pontuação média no modo Hybrid SLI foi de 4.160.

Com processador Intel Core 2 Duo P8600 e 4 GB de RAM, o desempenho geral do Studio XPS 13 é bem satisfatório, mesmo no uso de aplicativos mais pesados, como o Photoshop e o Illustrator. Nisso, ajuda também o veloz disco rígido de 7.200 RPM (o padrão em notebooks é 5.400 RPM) – que, por outro lado, aumenta o consumo de energia. A duração da bateria (seis células), como sempre, varia muito com a utilização. Nos meus testes, ela variou de uma hora e meia a duas horas em Hybrid SLI e de duas horas e meia a três no modo econômico – isso com Wi-Fi ligado, eventual uso do drive óptico, reprodução de arquivos de mídia e brilho da tela variando de 50% a 75%.

 
Quente

Tanta potência dentro de um aparelho tão pequeno resulta em altas temperaturas. O notebook fica muito quente, e arrisco dizer que pessoas com pele mais sensível podem realmente chegar a se queimar caso o usem no colo. Mesmo que não chegue a tanto, é difícil e incômodo deixá-lo sobre o corpo – e isso é uma falha grave, pois um laptop de 13 polegadas é comumente utilizado no colo. Não é preciso rodar games ou aplicativos pesados para que a temperatura suba demais – apenas navegar na internet já é o suficiente para deixar a máquina quente, obrigando-o a colocá-lo sobre uma superfície que não o seu corpo. Como consequência, as ventoinhas quase sempre estão ligadas, consumindo mais bateria e aumentando o nível de ruído. Não é recomendável para quem faz questão de um PC silencioso.


O Studio XPS 13 vem com Windows Vista Home Premium 64-bit (há a opção pelo Ultimate, por R$ 74 a mais), e felizmente não há muito bloatware pré-instalado. O mais invasivo é o Dell Dock, que fica na parte superior da tela com uns ícones horríveis. Além dele, há outros aplicativos da Dell (para webcam e conexão wireless, por exemplo) e umas porcarias de grife, como o Microsoft Works (alguém usa?) e o McAfee Security Center (OK, “porcaria” talvez seja exagero, mas é muito ruim!).

 
 
PRÓS

 
Alto desempenho
Solução gráfica com Hybrid SLI
Ângulo de visão razoável pra um laptop
Teclado confortável, eficiente e com backlight
Acabamento cuidadoso
Três saídas de vídeo
Pouco bloatware instalado

 
E…

 
Design pretensiosamente sofisticado
Disco rígido de 7.200 RPM melhora o desempenho, mas aumenta o consumo de energia

 
CONTRAS

 
Tela só tem um acabamento disponível (brilhante, glossy)
Esquenta demais
Duração da bateria deixa a desejar
Touchpad pequeno
Apenas duas portas USB
Preço alto
 

Configuração básica
 
Processador Intel® Core™2 Duo P8600 (2.40 GHz, 3 MB L2 cache, 1066 MHz FSB) – BRH4012
Windows Vista® Home Premium SP1 Original 64-bit em Português
Preto com detalhes em couro e Alumínio
1 ano de Garantia
Memória 4GB DDR3 1067MHz (2x2GB)
Disco Rígido SATA de 320GB (7200RPM)
Gravador de DVD/CD Slot-Load Integrado (Unidade DVD+/- RW 8x)
Tela LCD Edge to Edge de 13.3 Polegadas com Câmera de 2.0 Mega Pixels
Placa de Video Integrada NVIDIA® GeForce™ 9400M G
Integrated Gigabit 10/100/1000 Network Card
Miniplaca Dell Wireless 1510 802.11n
Bateria de Íon de Lítio de 56 Whr (6 células)
 
Preço: R$ 4.999
 
 
Configuração testada
 
Processador Intel® Core™2 Duo P8600 (2.40 GHz, 3 MB L2 cache, 1066 MHz FSB) – BRH4012
Windows Vista® Home Premium SP1 Original 64-bit em Português
Preto com detalhes em couro e Alumínio
1 ano de Garantia
Memória 4GB DDR3 1067MHz (2x2GB)
Disco Rígido SATA de 320GB (7200RPM)
Gravador de DVD/CD Slot-Load Integrado (Unidade DVD+/- RW 8x)
Tela LCD Edge to Edge de LED (mais fina e leve) e 13.3 Polegadas com Câmera de 1.3 Mega Pixels
Placa de Video NVIDIA® GeForce™ 9500M de 256Mb
Integrated Gigabit 10/100/1000 Network Card
Miniplaca Dell Wireless 1510 802.11n
Bateria de Íon de Lítio de 56 Whr (6 células)
 
Preço: R$ 5.777

[Atualização: Imagens e especificações da configuração testada]