A GVT é a menina dos olhos da telefonia brasileira. Ela oferece internet em altíssima velocidade a preços baixos; com a portabilidade, havia 7 vezes mais pessoas querendo levar o número para a companhia que querendo deixá-la; seu faturamento cresceu quase 30% no segundo trimestre. Seria questão de tempo até alguém oferecer uma bolada para levar a empresa curitibana. Essa hora chegou: a gigante Vivendi-Activision, que produz filmes franceses ruins e jogos americanos bons, fez uma oferta aparentemente irrecusável. Mas há gente apostando que a compra pode virar leilão.

O acordo pode chegar a R$ 5,4 bilhões e envolve a compra de 51% das ações das empresas a R$ 42 (custavam R$ 37 até ontem de manhã). Com o anúncio do acordo, as ações da empresa subiram hoje em 16%. E despertou o interesse de concorrentes do ramo. Segundo analistas de mercado ouvidos pelo G1, a Telefônica estaria interessada. Mas ao que tudo indica o acordo já está selado com a Vivendi. O presidente do conglomerado francês, Jean-Bernard Lévy, parece animado: "A GVT tem muito trabalho a fazer para ter uma cobertura nacional, mas está conseguindo ganhar participação de mercado rapidamente em relação aos competidores históricos", disse ao G1.

Uma compra dessas precisa da bênção da Anatel e do Ministério das Comunicações. Mas a princípio isso não vai ser empecilho. O ministro Hélio Costa levantou a placa de "Ah! Eu já sabia!" quando os repórteres perguntaram a ele o que achava do negócio. "Eles devem ter visto o mesmo relatório que eu vi, mostrando que a empresa que mais cresceu na área de telecomunicações no último ano foi a GVT", afirmou o ministro, segundo a Agência Estado.

A Vivendi controla a Activision-Blizzard — dona, entre outros, dos títulos Guitar Hero, Call of Duty e World of Warcraft —, além de controlar a Universal Music Group, operadoras de telefonia e canais de TV por assinatura. Inclusive, uma fonte que encontrou executivos da Activision-Blizzard (são muitas empresas juntas!) no Brasil disse que a empresa estaria acertando os detalhes para lançar WoW no País, oficialmente. Imagine as promoções: compre 3 meses de Vono (não a sopa) e ganhe um mês de WoW grátis. Será que a portabilidade alcançaria os elfos? Traga seu druida de um servidor pirata para o servidor oficial, ganhe desconto na banda larga! Seria bacana.

Mas de qualquer forma, uma injeção forte de grana na GVT pode ser bom pra telefonia como um todo: é uma empresa mais nova, com planos mais agressivos e serviço comparativamente muito bom. Se a grana de Guitar Heros e Orcs servir para que ela traga os 100 megabits de banda larga à minha casa em São Paulo, eu apoio. [GVT]