Ontem rolou o lançamento do Nokia N97. Festa badalada, megaprodução, com direito a ex-BBBs e tudo (jajá dou mais detalhes, não das BBBs). Depois de mexer um bocado no celular, conversei com executivos da Nokia sobre o N900. Ok, o N97 é legal e tal, mas esse novo celular com o Maemo que nós aqui adoramos? Quando ele vem para o Brasil? "Não há previsão". Aquele netbook bonitão? Mesma coisa. A Nokia disse que chega antes do Natal. Pelo menos os interessantes X6 e X3, lançados esta semana, tiveram melhor sorte: estarão disponíveis aqui no primeiro semestre de 2010.

Será que esses atrasos vão prejudicar a posição da Nokia de líder de mercado aqui no Brasil? Talvez não imediatamente, porque a Nokia não vai exatamente mal por aqui e pode aproveitar alguma inércia do mercado. Executivos odeiam números regionais, mas adiantaram que o Nokia 5800 está vendendo muito bem, obrigado – 8 milhões de unidades no mundo em poucos meses – e os brasileiros estão baixando músicas loucamente. Os celulares NSeries, como o megapopular N95 chegaram a 36 milhões de unidades comercializadas ano passado, bem mais que os 21 milhões de iPhones vendidos (em todas as versões) desde 2007.

Tudo muito bem? Não. A Nokia ainda é líder do mercado de celulares, apesar de que sua hegemonia está sendo ameaçada em vários mercados. No Brasil, sua participação nas vendas é 3% menor que em 2007 e sua distância para a segunda colocada está agora em 7%. No ringue dos smartphones, a coisa é mais preocupante ainda: sua participação caiu 19% em vendas globais, culpa da Apple e RIM.

Eu insisti: com o iPhone 3GS sendo lançado e acabando, a promessa de alguns telefones com Android no Brasil e a remodelagem do Windows Mobile… Não seria a hora de a Nokia apostar numa interface diferente, mais moderna com o promissor Maemo? A resposta é não. Mas Fiore Mangone, diretor de vendas e serviços da Nokia no Brasil, tem uma justificativa interessante:

"O dono de celular Nokia vai progredindo, comprando vários celulares da marca com cada vez mais funcionalidades. Ele espera uma interface conhecida. Nós não podemos ter uma ruptura tão grande." "Mas a Apple apostou nessa ruptura!" "A Apple não tinha nenhum telefone antes, era mais fácil". Ele tem razão? Enquanto isso, babem no vídeo do N900, que um dia pode chegar ao Brasil.

Ah, sim. O N97 é bem interessante. Tem algumas coisinhas irritantes de interface como o 5800, mas é um celular bastante interessante. Hands-on logo mais.