O governo do estado de São Paulo lançou hoje um programa de banda larga, em parceria com as operadoras, que cria planos de até R$29,80 por mês e que já incluem modem, instalação e provedor — e qualquer um pode comprar. Ainda não seremos a Finlândia, mas a proposta é muito boa!

Em troca de incentivo fiscal, as operadoras fixas e de celular poderão lançar planos com velocidade de 200Kbps a até 1Mbps abaixo dos R$30. O plano popular só vale para pessoas físicas, e se você quiser mudar do seu plano atual para o popular, você pode — mas tem que pagar R$100 de multa. Outro custo é a assistência técnica: R$ 50 se o dano for causado pelo usuário.

Só que o programa não prevê nem taxa de habilitação, nem multa por cancelamento, e nem prazo mínimo de serviço (fidelização). O que talvez dificulte a adesão de muitas operadoras, porque elas vão ter que cortar custos (por exemplo no modem) para chegar a um preço tão baixo. Por enquanto, só a Telefônica topou, com um plano de 250 kbps por exatos R$29,80, que será vendido a partir de 9 de novembro. A NET disse que ainda "vai estudar a melhor maneira de utilizar o benefício". A Vivo deve lançar um plano popular até o fim do ano. A TIM está analisando o decreto, assim como a Oi. E a TVA, fornecedora do serviço Ajato, falou que está fora, por ter parceria com a Telefônica.

Provavelmente os planos que vierem serão como o da Telefônica: cobrando quase R$30 por uma velocidade próxima do limite mínimo de 200Kbps. Sim, a velocidade é pouca, não é banda larga de fato. Mas acho bastante positiva esta parceria: sem ela, talvez estes planos econômicos nem existiriam, e obrigam as operadoras a pensar em como oferecer planos mais em conta.

E temos que lembrar o público-alvo deste programa: não são os heavy users, que baixam gigabytes de torrents todo dia — é um dos 2,5 milhões de lares paulistas que têm PC mas não internet, e que querem navegar pela web e usar e-mail, Orkut e MSN. 200kbps para fazer isso está de bom tamanho. [G1; foto de maiatoji]