A oferta durou cerca de 10 minutos, por volta de uma da manhã, mas foi o suficiente para algumas pessoas conseguirem encher o carrinho com computadores quad-core. Outros tiveram menos sorte e perderam a barbada antes de fechar a compra. O site ficou inacessível por alguns instantes e voltou com os preços normais.

Judicialmente, de acordo com um amigo meu advogado que foi defensor de uma loja em um caso semelhante (conto aqui depois), a compra pode até ser finalizada, mas certamente anulada na justiça depois. A Fnac optou pelo caminho mais curto, segundo ela, com chancela do Procon, e já cancelou a compra de todo mundo que tirou vantagem, mandando o seguinte recadinho:

    Na madrugada de 19 para 20 de maio de 2009 V.Sa. efetuou a compra de determinados produtos em nosso sitio eletrônico www.fnac.com.br.

    Ocorre, entretanto, que por lamentável falha nos softwares que gerenciam nosso “website”, o preço estampado do(s) produto(s) foi flagrantemente inferior ao preço médio praticado para produto(s) desta natureza no mercado varejista Brasileiro.

    Trata-se, pois, de evidente erro de veiculação, na medida em que tal(is) produto(s), de fato, é(são) comercializado(s) por valor substancialmente superior.

    Pelas razões supra expostas, fomos obrigados a cancelar o(s) Pedido(s) de V.Sa.

    Salientamos, desde logo, que as disposições do Código de Defesa do Consumidor a respeito da “publicidade” de produtos e serviços devem ser sempre analisadas e interpretadas à luz do princípio maior da “boa-fé”, que deve nortear todas as relações humanas.

    Admitir-se o contrário implicaria, por óbvio, em desproporcional vantagem econômica do consumidor em detrimento do fornecedor.

    Lembramos, outrossim, que o Poder Judiciário tem reiteradamente excluído a vinculação do fornecedor à publicidade veiculada, quando evidenciasse que a mesma é incompatível com a natureza do produto ou serviço anunciado.

    Diante do acima exposto, lamentamos mais uma vez o ocorrido e reiteramos a impossibilidade de atendimento de Vosso pedido, na medida em que a propaganda veiculada evidencia flagrante erro no preço do produto ofertado.

    Solicitamos, outrossim, que V.Sa. informe, através do correio eletrônico dve@fnac.com.br os dados de sua conta corrente bancária para que seja creditado o valor da compra, caso a mesma tenha sido efetivada e/ou realizada por meio de boleto bancário.

Pra mim, comprar um MacBook por RS 9,90 é o mesmo que ir naquele mercadinho onde o cara que remarca os preços é míope e analfabeto. É sempre uma boa oportunidade! </ironia off>

[Via Tecnoblog e Insidetechno Foto: Marianamusa, IT] Valeu, Malu!